Lula é craque que desequilibra qualquer o jogo eleitoral, diz Ricardo Cappelli

Publicado em 10 novembro, 2019
Compartilhe agora!

O jornalista Ricardo Cappelli vê clima de Copa do Mundo com a soltura do ex-presidente Lula, que tem capacidade de desequilibrar qualquer jogo [eleitoral].

Para o articulista, Lula reafirmou sua candidatura à presidência da República no discurso de São Bernardo do Campo (SP). “Se der errado, Fernando Haddad está aí para repetir o roteiro”, afirma Cappelli, ao referir-se à inelegibilidade do ex-presidente.

“A reestreia do craque fortalece no curto prazo o PT e, paradoxalmente, Jair Bolsonaro (PSL) e o ‘juiz ladrão’ Sérgio Moro, as estrelas do time adversário que o ex-presidente, não por acaso, chamou para briga no primeiro discurso”, escreve Ricardo Cappelli.

Leia a íntegra do artigo:

CRAQUE EM CAMPO

Ricardo Cappelli*

A volta de um craque aos gramados tem o poder de desequilibrar qualquer jogo. Não chega a ser a certeza de vitória que a torcida canta, mas seu talento deixa claro quem conta e quem é “japonês” dentro das quatro linhas.

A grande mídia, atacada pelo Capitão, adotou um tom moderado. Parece ter aderido momentaneamente a uma antiga estratégia chinesa. Quando acossado por um inimigo de superior potencial ofensivo, o melhor a fazer é colocar outro inimigo de tamanho similar para brigar com ele.

O discurso de Lula em São Bernardo não teve novidade. Reafirmou sua candidatura à presidência da República.

O PT aposta na anulação das condenações pelo STF. Apesar de livre, o ex-presidente continua inelegível. Não será tarefa fácil. Bolsonaro indicará dois novos ministros para a Suprema Corte.

Lula registrou sua candidatura quando estava na cadeia. Livre, são favas contadas que levará esta estratégia às últimas conseqüências. Se der errado, Haddad está aí para repetir o roteiro.

A outra aposta é que a economia vai degringolar e o mar de ressentimento vai correr naturalmente para o colo petista. Hoje, o mais provável é que a economia não decole, mas também não afunde.

Lula livre deve ser bastante diferente do Lula preso. Em sua trajetória, sempre que esteve na defensiva, o líder petista radicalizou como forma de subir barreiras em torno de seu núcleo duro. Na ofensiva, costuma trocar os sectários pelos moderados aliancistas.

LEIA TAMBÉM
Lula chama Requião para conversar sobre 2022

Bolsonaro diminuiu o tamanho do Enem; saiba por quê

Ciro excluído pela polarização entre Lula e Bolsonaro

Ele sabe que radicalização é tudo que Bolsonaro espera dele. Dificilmente cairá nessa.

Vai ser curioso acompanhar a reação do neolulista PSOL e da esquerda petista quando o ex-presidente começar a se encontrar com os “ex-golpistas vendilhões” Renan Calheiros, do MDB, Kassab, do PSD, Ciro Nogueira, do PP e o lulista Waldemar Costa Neto, do PL.

Haverá mexida no tabuleiro, nos dois lados do espectro político.

Ciro Gomes seguirá com sua estratégia. Sabe que a reconciliação com o petismo pode fazer sua militância debandar. No pior cenário, sua votação histórica, sempre em torno de 10%, viabiliza com folga o projeto do PDT.

Sem projeto nacional, o PSB correrá o risco de virar uma legenda regional. Com jogadores fortes no gramado, é grande a possibilidade de ficar sem torcida quem não entrar em campo.

Desde 89 o PCdoB funciona como corrente externa do PT, apoiando o partido em todas as eleições nacionais em troca de coligações para seus deputados. O problema é que a regra mudou, proibindo coligações proporcionais. Como sobreviver agora? Os comunistas terão que responder a este dilema.

Huck é uma vítima direta do retorno do craque. As pesquisas indicam que ele come uma parte do lulismo, sem Lula no jogo. Com ele em campo, o apresentador terá que tentar o apoio de Doria e outras forças de centro. Este campo sonhado por FHC e Rodrigo Maia terá uma tarefa hercúlea.

A direita deve se reorganizar. Nada melhor que um inimigo externo poderoso para reunificar a tropa e acabar com as brigas internas. Com Lula no gramado polarizando com Bolsonaro, o governador paulista pode encomendar a missa de sétimo dia de sua candidatura.

A reestreia do craque fortalece no curto prazo o PT e, paradoxalmente, Bolsonaro e Moro, as estrelas do time adversário que o ex-presidente, não por acaso, chamou para briga no primeiro discurso.

O campeonato vai ficar mais animado, as torcidas organizadas estarão mais fortes, mas um detalhe chama a atenção: as arquibancadas continuam vazias. Sua excelência, o povo, permanece olhando tudo de longe.

*Ricardo Cappelli é jornalista e secretário de estado do Maranhão, cujo governo representa em Brasília. Foi presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes) na gestão 1997-1999.

Compartilhe agora!