José Dirceu de volta para casa, após proibição da prisão em segunda instância

Publicado em 8 novembro, 2019
Compartilhe agora!

A proibição da prisão em segunda instância, pelo STF, além de soltar Lula, também vai mandar para casa o ex-ministro José Dirceu.

Zé Dirceu, como é conhecido, foi quatro vezes preso pela Lava Jato.

O núcleo duro petista se completa ainda com João Vaccari Neto e Delúbio Soares, ambos cumprindo pena restritiva com tornozeleira eletrônica em Curitiba. A proibição da antecipação da pena também os beneficiará.

A expectativa é que o ex-presidente Lula seja o primeiro a ser libertado ainda nesta sexta-feira (8).

A defesa do petista se reunirá esta manhã com o petista, na PF de Curitiba, para definir o roteiro entre o pedido de soltura à Justiça e a saída da prisão.

Os ministros do Supremo Tribunal Federal confirmaram ontem (7) a validade do art. 283 do Código de Processo Penal (CPP) e, consequentemente, da Constituição Federal.

As ações declaratórias de constitucionalidade (ADCs) julgadas pelo STF –propostas pela OAB, Patriota e PCdoB– perguntavam se a Constituição ainda estava valendo, haja vista o dispositivo do CPP ser um espelho do inciso LVII do art. 5º da Constituição.

A libertação dos presos políticos do PT deixaram a Rede Globo ‘desenxabida’ e bastante ‘amargurado’ o site de extrema-direita O Antagonista.

VOTARAM PELO LULA LIVRE OS SEGUINTES MINISTROS:

Marco Aurélio Mello (relator do caso penal);

Ricardo Lewandowski;

Rosa Weber;

Gilmar Mendes;

Celso de Mello; e

Dias Toffoli.

LEIA TAMBÉM
Globo fica desenxabida com Lula Livre

O Antagonista fica amargurado com o Lula Livre

Nota de Defesa de Lula pede liberdade imediata do petista

VOTARAM CONTRA A CONSTITUIÇÃO FEDERAL OS SEGUINTES MINISTROS:

Alexandre de Moraes;

Edson Fachin;

Luís Roberto Barroso;

Luiz Fux; e

Cármen Lúcia.

A velha mídia e a burguesia temem a reconstituição do núcleo duro do PT porque, afinal de contas, o que se disputa é o poder.

As prisões dos petistas se deram para garantir a concretização do golpe de Estado, em 2016, e a fraude eleitoral de 2018, com a eleição de Jair Bolsonaro (PSL).

Compartilhe agora!