Intercept: Bolsonaro mente sobre “Dia do Fogo” na Amazônia

O site The Intercept Brasil afirma nesta quinta-feira (28) que o presidente Jair Bolsonaro está mentindo sobre a autoria pelo “Dia do Fogo” na Amazônia.

Segundo a página fundada pelo jornalista norte-americano Glenn Greenwald, a Polícia Federal trabalha desde o final de agosto para descobrir os responsáveis pelo “Dia do Fogo” na Amazônia não tem nenhuma organização não-governamental entre os suspeitos.

“Nem a Brigada de Incêndio de Alter do Chão nem a ONG Saúde e Alegria são investigadas ou consideradas suspeitas pela PF”, asseguram os editores Rafael Moro Martins, Nayara Felizardo e Tatiana Dias.

A Polícia Civil do Pará prendeu nessa 3ª feira (26) quatro membros de uma ONG formada por brigadistas voluntários. Eles foram acusados de provocar queimadas que destruíram em setembro parte de uma Área de Proteção Ambiental (APA) em Santarém.

Fontes ouvidas pelo Intercept descartam a participação desse tipo de entidade e autoridades policiais seguem investigando fazendeiros locais como principais responsáveis pelos incêndios que impressionaram o mundo.

LEIA TAMBÉM
PSOL quer barrar nomeação de presidente da Fundação Palmares que nega racismo

Lacalle Pou vence as eleições no Uruguai e encerra 15 anos da Frente Ampla

Vai ter ovo no dia 8/12, não vai ter férias

“Quer dizer – a investigação federal vai no caminho oposto ao da espalhafatosa e esquisita operação da polícia civil do Pará, que prendeu voluntários e colocou a Brigada e a ONG Saúde e Alegria como suspeitas de provocarem incêndios na região de Altamira”, afirma o Intercept.

O site de Glenn Greenwald exime militantes da causa ambiental da culpa pelo incêndio na região da floresta Amazônica.

“A culpa, aí, parece recair em Bolsonaro – que, naturalmente, fez uso político das suspeitas contra ambientalistas. Em recente visita à Arábia Saudita, Bolsonaro disse inclusive que “potencializou” o movimento de destruição da mata. Ele não esconde. As palavras de incentivo do político alimentaram a sanha dos desmatadores da região de Novo Progresso, localizado na nova fronteira agrícola da Amazônia”, diz a reportagem.

As informações são do site The Intercept Brasil