Greve geral na Colômbia contra pacote neoliberal de Iván Duque


O governo neoliberal do presidente Iván Duque enfrenta uma greve geral nesta quinta-feira (21) convocada por sindicatos, estudantes, indígenas e opositores políticos contra as medidas de ajustes neoliberais. Nas últimas horas, a resposta de Duque foi intensificar a repressão contra o movimento grevista, com prisões e violência das forças seguranças.

A greve foi convocada desde outubro pelo Comando Nacional Unitário, que une as principais centrais dos trabalhadores e movimentos sociais contra as medidas anti-trabalhistas, reforma nos direitos previdenciários e a proposta de aumento de idade para aposentadoria.

“O protesto não tem outra intenção senão pressionar o governo, a classe dominante deste país, a responder aos problemas da classe trabalhadora”, disse à AFP Julio Roberto Gomez, presidente da Confederação Geral do Trabalho.

Os indígenas pedem proteção após o assassinato de mais de cinquenta membros da comunidade neste ano no problemático departamento de Cauca (sudoeste). A eles se juntam artistas, organizações sociais e grupos de oposição, como o partido Força Alternativa (antiga FARC), partido que emergiu do pacto de paz que apoia a greve em rejeição ao assassinato de 170 ex-combatentes que assinaram o acordo.

LEIA TAMBÉM:

Polícia convoca assessores de Carlos Bolsonaro para depor no caso Marielle

Chile: Piñera é processado por crimes contra a humanidade

OEA aprova resolução solicitando “urgentemente” eleições na Bolívia

Os movimentos de protesto enfatizam seu repúdio à violência contra líderes sociais, que deixou 486 mortos entre 1 de janeiro de 2016 e 17 de maio de 2019, de acordo com a Defensoria Pública.

*Com informações de agências