Greve dos professores do Rio Grande do Sul continua firme e forte


A greve dos professores do Rio Grande do Sul já é considerada uma das maiores da história da categoria no estado. De acordo com levantamento do Centro dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul (Cpers-Sindicato), até esta sexta-feira (29), eram 1.556 escolas em greve, sendo que 788 totalmente fechadas.

Estudantes, pais de alunos e até o comércio das cidades manifestaram apoio ao movimento. Em diversas cidades do estado foram realizadas passeatas, com presença dos próprios estudantes, que levaram cartazes com frases de protesto contra o governador Eduardo Leite (PSDB). Mesmo em pequenos municípios, onde nunca houve greve, escolas estão sem aulas e a população está participando dos protestos.

A greve tem como motivo principal o pacote de medidas do governo do estado que desmonta o plano de carreira dos professores. Uma das propostas é de incorporação de gratificações aos salários o que, segundo o sindicato, nada mais é do que “fazer de conta que o piso nacional da categoria está sendo cumprido”.

Os projetos incluídos no pacote, que atingem todos os professores do ensino público, inclusive os aposentados, com a cobrança de alíquota previdenciária, foi enviado à Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, em caráter de urgência e devem ser votados até o dia 17 de dezembro.

LEIA TAMBÉM:

URGENTE: PROFESSORES DEFLAGRAM GREVE NO PARANÁ

Em SP, professores aprovam greve contra reforma da Previdência de Doria

Além de protestar contra as medidas de Eduardo Leite, os professores também pararam porque não têm reajustes salariais há cinco anos e os salários estão sendo pagos com atrasos há 47 meses. Já há relatos, segundo a assessoria do sindicato, de suicídio de trabalhadores.

Em São Paulo e no Paraná, os sindicatos de professores preparam também para os próximos dias movimentos grevistas de categorias do magistério público.

*Com informações da CUT