Encontro Anti-imperialista em Cuba pede libertação de Lula

Publicado em 2 novembro, 2019
Compartilhe agora!

Com uma evocação ao líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro, um apelo à unidade das forças progressistas e a ratificação de que Cuba não cederá à chantagem ou pressão, o encontro anti-imperialista começou nesta sexta-feira (1), em Havana, com ato de solidariedade à democracia e contra o neoliberalismo. A presidenta do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, e a secretária Nacional de Relações Internacionais do PT, Monica Valente participam do encontro.

José Ramón Machado Ventura, segundo secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, Esteban Lazo, presidente da Assembleia Nacional do Poder Popular e do Conselho de Estado, e outros membros do Bureau Político do PCC presidiram a cerimônia de abertura.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro age como “Coringa” para distrair a plateia

Há algo grave envolvendo os Bolsonaros que ainda não foi revelado, diz jornalista

Bolsonaro transformou PSL no partido mais odiado do País, diz Ibope

Esteve presente Ralph Gonzalves, primeiro ministro de São Vicente e Granadinas, líderes de organizações mundiais, ex-presidentes e ex-ministros e numerosas personalidades.

A abertura contou com uma apresentação emocionante do grupo infantil La Colmenita, com o trabalho Crecer con Fidel, perante as mais de mil pessoas de todo continente presentes no evento.

González Llort enfatizou que os conceitos, idéias e exemplos pessoais de Fidel constituem o guia para o caminho seguro da vitória. Para ele, que fez tanto pela unidade, essencial à resistência e à luta contra o imperialismo, inimigo comum de nossos povos, esse evento é dedicado, ele quis dizer.

Sobre a crescente agressividade imperial, ele denunciou que os Estados Unidos ameaçam e difamam Cuba por não reconhecerem seu fracasso na tentativa de derrubar a revolução cubana e deturpam a cooperação médica que o país oferece em mais de 80 nações. “Não existe plataforma melhor do que esse espaço para ratificar que Cuba nunca renunciará ou trairá seus princípios ou solidariedade com os outros povos do mundo”, afirmou.

O presidente do Icap expressou solidariedade às causas justas e enfatizou: “a Venezuela é hoje a trincheira anti-imperialista onde se define a capacidade da esquerda de unir forças pela paz, soberania e autodeterminação de nossos povos”.

Lula Livre
Lula, preso político sem provas com o claro objetivo de atacar a democracia brasileira, é o exemplo de quão longe a direita imperialista pode ir. “Hoje, sua libertação também é um dos grandes desafios para as forças de esquerda. As mobilizações não podem cessar”, afirmou.

Ele também expressou apoio absoluto ao ex-presidente Lula; à rebelião do povo porto-riquenho que “mais de cem anos da colônia ianque não foram capazes de enterrar” e às lutas dos palestinos e saharauis”.

Em seu discurso, o presidente do ICAP, que falou em nome do Comitê Organizador da Reunião, parabenizou Evo Morales e Alberto e Cristina Fernández pelas recentes vitórias eleitorais.

Mais tarde, destacou: é urgente e fundamental impedir o avanço de políticas neoliberais que estão sendo aplicadas com crescente radicalismo. “Vamos combinar as experiências acumuladas, para que os militantes de esquerda tenham plena consciência de onde o caminho da unidade passa”.

González Llort apelou “a todos os governos e à comunidade internacional, para apoiar a resolução que Cuba apresentará perante a Assembléia Geral das Nações Unidas, em 6 e 7 de novembro, denunciando o bloqueio criminal e ilegal imposto a nós pela Governo dos Estados Unidos”.

As informações são da Agência PT.

Compartilhe agora!