Bolsonaro é contra urna eletrônica, mas quer validar ‘assinaturas on line’ no TSE

Compartilhe agora


O clã Bolsonaro força a barra para subverter a exigência da legislação em vigor que determina pelo menos 490 mil assinaturas físicas (em fichas de papel) e em nove estados para a criação de um partido político. Bolsonaro pressiona o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para garantir a validade de assinaturas eletrônicas. A corte decide a questão nesta terça-feira (26). O Ministério Público Eleitoral é contra a manobra ilegal.

Os bolsonaristas correm contra o tempo. Caso o “Três Oitão”, número escolhido para o partido Aliança pelo Brasil, não consiga reunir as condições legais a legenda ficará fora das eleições municipais de 2020.

A conduta de Bolsonaro revela a arrogância e o desejo de burlar as leis em vigor. Dezenas de partidos estão na fila para obter o registro legal, cumprindo as exigências do TSE.

LEIA TAMBÉM:

Chapa de Bolsonaro e novo partido serão julgados pelo TSE

Bolsonaro pode ter partido barrado devido natureza fascista

Apuração no Uruguai vai para o ‘VAR’: Diferença é mínima entre os candidatos

Logo Bolsonaro que, de forma leviana e irresponsável, questiona a segurança das urnas eletrônicas. Agora, defende a lisura de “assinaturas digitais”. O que pode facilitar a ocorrência de fraudes em larga escala e exige uma perícia tecnológica a ser desenvolvida pelo TSE.