Alinhado aos EUA, Brasil deve votar a favor do embargo à Cuba na ONU

Publicado em 7 novembro, 2019
Compartilhe agora!

Em clima de acirramento das tensões, a Assembleia Geral da ONU votará nesta quinta-feira (7) uma resolução para colocar um fim ao embargo imposto há décadas pelos Estados Unidos a Cuba. Devido ao alinhamento do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, ao governo americano, o Brasil deve votar a favor do bloqueio, rompendo uma tradição de quase três décadas.

A votação deste ano é especialmente tensa. Os ataques verbais entre Cuba e Estados Unidos aumentaram nos últimos dias. O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, denunciou em Nova York que os Estados Unidos “estão adotando intensas ações de pressão e chantagem contra os Estados-membros das Nações Unidas com o objetivo de corroer o padrão de votação”.

LEIA TAMBÉM:
Chile: Piñera é processado por crimes contra a humanidade

Ministro diz que proposta para mineração em terras indígenas será encaminhada ao Congresso em 15 dias

Supremo pode soltar Lula hoje; acompanhe ao vivo

Ao que tudo indica, o Brasil deve votar a favor do embargo. A mudança de posição faria parte do alinhamento do governo do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, a Washington. Especula-se, porém, que Brasília possa optar pela abstenção, que também seria inédito neste contexto.

Troca de acusações
Na terça-feira (5), o subsecretário de Estado do Hemisfério Ocidental, Michael Kozak, afirmou que “a propaganda do regime cubano na ONU distrai os verdadeiros problemas que o povo cubano enfrenta como as contínuas violações dos direitos humanos, a incompetência econômica e a prisão de ativistas políticos”. Já Rússia, China e Venezuela fazem duras críticas contra o governo americano.

Para Cuba, a recente escalada na tensão tem como pano de fundo a campanha presidencial de 2020 e a disputa pelo apoio da comunidade latina, portanto, Havana espera um agravamento das sanções. Já os americanos acusam o governo cubano de buscar um bode expiatório para o fracasso do seu sistema.

Nesta semana, o presidente americano, Donald Trump, incluiu Cuba – junto com a Síria, Rússia e Coreia do Norte – em um memorando que proíbe o uso recursos do governo federal para o intercâmbio educacional e cultural com esses países no ano fiscal de 2020.

Segundo o Ministério cubano das Relações Exteriores, o governo Trump implementou 187 medidas contra a ilha desde junho de 2017. Entre as sanções mais recentes, estão a suspensão de voos diretos ao país (com exceção daqueles para a capital, Havana), a suspensão de cruzeiros, além de restrições de vistos e remessas que cubanos-americanos podem enviar ao país.

Embargo já dura cinco décadas
No ano passado, a resolução foi aprovada por 189 dos 193 países, e apenas os Estados Unidos e Israel se posicionaram contra. A Assembleia Geral vem aprovando desde 1992, por ampla margem, a resolução que pede o fim do embargo econômico, comercial e financeiro a Cuba. A política americana data de 1962, e foi implementada no contexto da Guerra Fria, pouco depois da revolução socialista na ilha. A medida foi transformada em lei pelo Congresso americano em 1992.

A aprovação da resolução não é vinculante e tem caráter simbólico. Desde que chegou a Casa Branca, Trump toma medidas para reverter a abertura iniciada pelo ex-presidente Barack Obama. Agora, espera-se um incremento nas medidas para restringir o comércio, financiamentos e investimentos na ilha.

A previsão é de punições mais pesadas para bancos que terceirizam transações com Cuba em outras moedas, limites de gastos para americanos que visitem Cuba e até o bloqueio de uso de cartões de crédito. Além disso, os Estados Unidos poderiam recolocar Cuba na lista de países que apoiam o terrorismo e reduzir ainda mais as relações diplomáticas.

Por RFI

Compartilhe agora!