Repressão a protestos no Equador deixa vários indígenas mortos, diz entidade

A Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) confirmou nesta quinta-feira (10) a morte de vários manifestantes após as ações repressivas do governo do presidente Lenín Moreno.

LEIA TAMBÉM:
PT convoca megamanifestação no domingo pela liberdade de Lula

Adepta ao neoliberalismo, Folha se rende à Geringonça de Portugal

Lula a 1 dia do Prêmio Nobel da Paz

Em comunicado, a Conaie lamentou as mortes e afirmou que nos próximos dias vai publicar um relatório completo com os nomes de todas as vítimas.

A entidade também se comprometeu a denunciar o governo juntos às organizações de direitos humanos para que os crimes não fiquem impunes.

Diversos movimentos sociais estão nas ruas do país há uma semana e afirmam que não abandonarão os protestos até que o pacote econômico anunciado por Moreno na última quinta-feira (3) seja revogado. A mais impopular das medidas, previstas em um acordo para obter um empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI), é o fim do subsídio estatal sobre os combustíveis.

Nesta terça-feira (8), pelo menos 20.000 indígenas chegaram à capital (Quito) para participar das manifestações.

Confira o comunicado da Conaie:

Com informações da Telesur.