Presidente do Chile decreta estado de emergência no país após protestos

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, decretou estado de emergência na madrugada deste sábado (19) após protestos que tomaram estações de metrô na capital Santiago.

As manifestações, que aconteceram ontem (18) contra aumento no preço das passagens, culminaram em ataques a várias estações do serviço de transporte metropolitano, saques e incêndios. Cerca de 180 pessoas foram presas e o metrô da capital chilena ficará fechado neste final de semana.

LEIA TAMBÉM:
Intercept divulga novos diálogos sobre Moro

#OrandoPeloBrasil: Robôs apelam para Deus salvar Bolsonaro

Ministro da falta de Educação tenta ‘lacrar’ com liberação de recursos

“Diante dos ataques sérios e repetidos e contra as estações e instalações do metrô de Santiago, contra a ordem pública e a segurança pública, declarei estado de emergência nas províncias de Santiago e Chacabuco, e nos municípios de Puente Alto e San Bernardo, na região metropolitana”, afirmou o presidente chileno.

Piñera disse que o objetivo da medida é voltar a recuperar a normalidade.

“O objetivo deste estado de emergência é muito simples, mas muito profundo: garantir a ordem pública, a tranquilidade dos habitantes da cidade de Santiago, proteger bens públicos e privados e, acima de tudo, garantir os direitos de todos”, disse.

Desde a última segunda-feira (14), milhares de pessoas, especialmente estudantes do ensino médio e universitário, têm protestado contra o aumento de 30 pesos no preço dos bilhetes de metrô, decretado há duas semanas, para os atuais 830 pesos (cerca de 1,2 dólar) no horário de pico.

Com informações do G1.