Gilmar Mendes diz que Lava Jato usava ‘prisão provisória como tortura’


O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), voltou a criticar duramente a Operação Lava Jato, nesta quarta-feira (2), durante a sessão plenária da corte suprema. Segundo o magistrado, “o resumo da ópera é que você não pode resolver o crime cometendo um crime. Ninguém pode se achar o ó do borogodó. Calcem as sandálias da humildade”, disparou o ministro.

Para Gilmar Mendes, o Brasil viveu “uma época de trevas no que diz respeito ao processo penal”. O ministro afirmou que o ex-juiz federal Sergio Moro e o coordenador da Lava Jato em Curitiba (PR), Deltan Dallagnol, usavam a prisão provisória como tortura.

“Hoje se sabe de maneira muito clara que usavam a prisão provisória como elemento de tortura. Isto aparece hoje nas declarações do site The Intercept, feitas por gente como Dallagnol e Moro”, declarou.

LEIA TAMBÉM:

Por 7 votos a 4, STF “abotoou” mais uma condenação da Lava Jato

250 juristas divulgam manifesto em apoio à decisão do ex-presidente Lula

“Pedido do MPF é uma manobra dos meus algozes”, diz Lula a Gleisi

O ministro trava uma batalha aberta contra os métodos criminosos desenvolvidos pela Lava Jato.