Frota à CPI das Fake News: Bolsonaro protege e financia “terroristas virtuais”

Compartilhe agora

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) declarou hoje (30) à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito do Congresso Nacional que investiga notícias falsas nas redes sociais e assédio virtual, também conhecida como CPI das Fake News, que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) protege e financia três “terroristas virtuais”.

LEIA TAMBÉM:
Envolvimento de Bolsonaro no assassinato de Marielle domina o Twitter

Mourão diz que depoimento de porteiro sobre caso Marielle ‘pertuba’ o governo

O Antagonista, site bolsonarista, desolado por Bolsonaro

De acordo com o parlamentar, o trio trabalha dentro do Palácio do Planalto e age sob coordenação do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho de Bolsonaro.

“Vem de dentro do Palácio do Planalto os três personagens que vieram das redes bolsonaristas e tiveram oficializadas as suas redes de ataque com dinheiro público. E quem coordena? Carlos Bolsonaro. Direto do Rio de Janeiro, ele coordena realizando reuniões e disparando via WhatsApp os seus comandos”, disse Frota.

Segundo Frota, antes mesmo da eleição de 2018, os assessores administravam sites e páginas que compartilham fake news pró-Bolsonaro e ataques pessoais a adversários. Após se tornar presidente, Bolsonaro teria institucionalizado essa prática em seu favor.

“Bolsonaro se encantou com essas três figuras e os trouxe para trabalhar dentro de seu gabinete”, disse o deputado.

O trio é formado por Tercio Arnaud Tomaz, José Matheus Sales Gomes e Mateus Matos Diniz. Eles já têm requerimentos de convocação aprovados para que prestem esclarecimentos à CPI das Fake News, mas as datas ainda não foram definidas.

Com informações do UOl.