Deputada petista quer ouvir gerente do Whatsapp sobre fake news nas eleições 2018

Publicado em 9 outubro, 2019
Compartilhe agora!

A deputada Margarida Salomão (PT-MG) apresentou, nesta quarta-feira (9), um pedido de realização de audiência pública para debater, na Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados, o envio maciço ilegal de mensagens nas eleições de 2018.

LEIA TAMBÉM:
Portugal diz que entregará Prêmio Camões a Chico Buarque

Katia Abreu pede que CNMP afaste Dallagnol da coordenação da Lava Jato

PT exige que TSE casse Bolsonaro pelo envio de fake news via WhatsApp

O gerente de políticas públicas e eleições globais do WhatsApp, Ben Supple, confirmou que empresas enviaram mensagens em grandes quantidades e que violaram os termos de serviço do aplicativo, de acordo com reportagens publicadas nos principais veículos de imprensa do País. As declarações foram feitas em palestra na Colômbia, na última sexta-feira (4).

No pedido, Margarida Salomão destaca que a afirmação de Supple deixa “cada vez mais evidente a possibilidade de crimes eleitorais cometidos nas eleições, uma vez que estes gastos não estão previstos na prestação de contas da candidatura de Jair Bolsonaro”. Para a deputada, a fala do executivo do Whatsapp abre ainda mais dúvidas sobre as possibilidades de disseminação de fake news e os impactos na opinião pública.

A proposta sugere que sejam convidados para a audiência pública, além do gerente de políticas públicas e eleições globais do WhatsApp, Ben Supple, a advogada Flávia Lefévre, integrante do coletivo de Comunicação Social Intervozes, e o advogado criminalista José Carlos Portella Júnior.

As informações dão do PT na Câmara.

Compartilhe agora!