Convocado, ministro do Turismo depõe no Senado sobre candidaturas-laranja do PSL

Publicado em 21 outubro, 2019

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, vai prestar esclarecimentos à Comissão de Fiscalização e Controle (CTFC) do Senado sobre as denúncias de candidaturas-laranja no PSL. Ele depõe na terça-feira (22) na condição de convocado, depois de faltar a uma primeira reunião para qual havia sido convidado. O autor do requerimento é o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

LEIA TAMBÉM:
Globo vê ‘risco concreto’ para Bolsonaro na CPMI das Fake News

E.C. Bahia faz uniforme com referência ao derrame de petróleo no Nordeste

Alexandre Frota pede ‘Lula Livre’ para combater Bolsonaro

Marcelo Álvaro Antônio é presidente licenciado do PSL em Minas Gerais. Segundo Randolfe, o ministro deve explicações sobre o caso conhecido como “Laranjal do PSL”, investigado pela Polícia Federal. Em junho, foram presos Mateus Von Rondon, assessor do ministro; Haissander Souza de Paula, ex-assessor; e Roberto Silva Soares, ex-assessor e primeiro-secretário do diretório do PSL em Minas Gerais. Segundo a Polícia Federal, Roberto Silva Soares é suspeito de negociar a devolução de dinheiro recebido por candidatas do partido.

No requerimento, Randolfe esclarece que sete candidatas de Pernambuco e Minas Gerais receberam recursos do PLS, mas obtiveram poucos votos nas últimas eleições. Para o senador, isso “é um forte indicativo de que foram candidaturas laranjas”. Ou seja: concorreram apenas para cumprir a lei que destina 30% do dinheiro dos partidos para a participação feminina.

Uma das candidatas é Cleuzenir Barbosa, que concorreu ao cargo de deputada estadual por Minas Gerais. Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, ela afirmou que o PSL promoveu um esquema de lavagem de dinheiro e que o atual ministro do Turismo sabia da operação. Em março, Marcelo Álvaro Antônio já havia sido convidado a participar de audiência pública na CTFC, mas não compareceu. “É importante que o ministro coloque às claras o obscurantismo que ronda as eleições do PSL, esclarecendo à República sobre o que tomou parte neste processo eleitoral, dando a sua versão dos fatos”, afirma Randolfe.

Denúncia do MP-MG
No início de outubro, o Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) indiciou o ministro e mais dez pessoas pelo caso das candidaturas-laranja nas eleições de 2018. A PF afirma que o então presidente do PSL em Minas Gerais tinha controle sobre o repasse de recursos do fundo partidário. Ele foi indiciado por falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita de recurso eleitoral e associação criminosa.

Com informações da Agência Senado.