Chile desiste de sediar cúpulas do clima e econômica devido aos protestos

Foto: Javier Torres/AFP
O Chile abriu mão de organizar a Conferência Mundial sobre o Clima (COP25) prevista para dezembro, assim como a cúpula do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC), em novembro, devido aos protestos que estão abalando o país, anunciou nesta quarta-feira (30) o presidente chileno Sebastian Piñera.

“É com um profundo sentimento de dor, porque é doloroso para o Chile, que nosso governo decidiu não realizar a cúpula da Apec (…), nem a da COP25”, disse o chefe de estado conservador.

LEIA TAMBÉM:
Marielle e cacique Raoni são finalistas do prêmio Sakharov na Eurocâmara

Frota à CPI das Fake News: Bolsonaro protege e financia “terroristas virtuais”

Mourão diz que depoimento de porteiro sobre caso Marielle ‘pertuba’ o governo

A cúpula da Apec estava programada para ocorrer em Santiago nos dias 16 e 17 de novembro e a COP25, de 2 a 13 de dezembro.

O Chile foi abalado nos últimos 12 dias por uma onda de protestos sem precedentes contra as desigualdades socioeconômicas, com manifestações às vezes cheias de violência em Santiago e outras cidades.

Decisão difícil de tomar
“Esta foi uma decisão muito difícil de tomar, uma decisão que está nos causando muitos problemas, porque entendemos completamente a importância da APEC e da COP para o Chile e o mundo”, disse Piñera, no cargo desde março de 2018.

Cerca de 25.000 delegados eram esperados na COP25 em Santiago, incluindo a jovem ativista climática sueca Greta Thunberg.

A Cúpula de Líderes da APEC, prevista para começar no 16 de novembro, foi apresentada como uma oportunidade para a assinatura dos presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping da “Fase 1” de um acordo comercial que poderia pôr fim entre as duas primeiras potências econômicas do planeta.

Em Washington, um funcionário da Casa Branca disse que o cancelamento da cúpula de Santiago “pegou de surpresa” a administração norte-americana.

As informações são da RFI.