Bancos lavaram R$ 1,3 bilhão de propinas, diz Lava Jato

Publicado em 2 outubro, 2019
Compartilhe agora!

Já foi dito aqui no Blog do Esmael, várias vezes, que seria impossível a existência de propinodutos sem a participação efetiva dos grandes bancos do País. E não é que, depois de cinco anos, a Lava Jato também chegou a essa conclusão?

Depois de consultar o tico e o teco, a força-tarefa afirma houve um sistema de lavagem de dinheiro por meio de contas abertas no Itaú, Banco do Brasil, Bradesco, Caixa e Santander.

De ofício, as instituições financeiras deveriam informar todas as movimentações suspeitas ao antigo COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) –agora batizado Unidade de Inteligência Financeira do Brasil, ligada ao Banco Central.

Segundo o Ministério Público Federal, os maiores bancos brasileiros movimentaram os seguintes valores oriundos de propina:

* Bradesco: R$ 989,6 milhões

* Banco do Brasil: cerca de R$ 200 milhões

* Itaú: R$ 94,5 milhões

LEIA TAMBÉM
URGENTE: CCJ da Câmara aprova convite para ouvir Rodrigo Janot; assista

Gleisi derruba o “mito” Bolsonaro e desvenda as “promessinhas” de Guedes

STF julga hoje anulação de sentenças do ex-juiz Sérgio Moro

* Santander: R$ 19,5 milhões

* Caixa: R$ 4,1 milhões

* Total: R$ 1,3 bilhão

O que chama a atenção é o cuidado da Lava Jato –que faltou aos demais suspeitos– antes de imputar culpa aos banqueiros.

Os procuradores da força-tarefa tratam a movimentação “atípica” de R$ 1,3 bilhão como “falha” e se há culpa dos bancos nos crimes cometidos pelos acusados que já são réus na Lava Jato.

Voltemos afirmar: se existe propina, com certeza, há compadrio de bancos.

Resta saber se a Lava Jato terá tempo para investigar o sistema banqueiro, haja vista que a força-tarefa cometeu tantos crimes que sua existência ficou comprometida.

Os procuradores estão mais preocupados, nesse apagar das luzes, em fazer um ‘gol de mão’ como honra –contra o ex-presidente Lula.

Compartilhe agora!