Roberto Amaral: O desafio de vencer o cachorro louco

Compartilhe agora!

O ex-ministro Roberto Amaral compara o presidente Jair Bolsonaro (PSL) a um cachorro louco, que precisa ser detido, e faz uma análise da atual conjuntura polícia. Ato contínuo, o articulista vê o bolsonaranismo como uma ‘contribuição brasileira’ à crise dos partidos políticos no mundo.

Para Amaral, o destempero do “mito” chega às raias da insânia porque, após a querela contra o presidente da França, chama a atenção as diatribes de Bolsonaro contra a Alemanha e a Noruega, a descabida e insólita agressão à ex-presidente do Chile, Alta Comissária da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

Ao final do texto, o ex-ministro faz aquela perguntinha básica: “Quem mandou matar Marielle Franco?”

O desafio de vencer o cachorro louco

Roberto Amaral*

Uma das características do mundo contemporâneo é a crise dos partidos políticos. Nós a sentimos aguda, mas é fenômeno que se abate sobre o sistema ocidental sem deter-se ante limitações ideológicas ou geopolíticas. Como sobrecarga traz consigo – simbiose entre causa e efeito – a decadência do liberalismo político e a emergência de governos que transitam da direita (Donald Trump) à extrema-direita, muito bem representada pelos regimes de Benjamin Nethanyahu, Recep Erdogán e Viktor Urbán. Nossa contribuição a esse álbum é o bolsonarismo. É a nova fase do conservadorismo brasileiro que se afasta do centro, reduzido a um vácuo, enquanto cresce a movimentação dos círculos de direita em todos os campos da sociedade.

Depois da debacle dos partidos tradicionais da França, da Itália, da Espanha e da Grécia – à esquerda e à direita –, está no horizonte a crise inglesa. Acelerada pelo desastrado Boris Johnson e o impasse em torno do Brexit, ela ilustra também a crise do bipartidarismo, que já há muito atingiu a infuncional democracia representativa dos EUA, de que a eleição de Trump, nas condições conhecidas, é apenas um subproduto. A face brasileira da crise – crise da democracia representativa, crise da política — é pontuada pela eleição do capitão Bolsonaro, o ápice da disfunção geral dos nossos partidos (nomeadamente dos partidos da centro-direita mas não só deles, literalmente fulminados, cedendo espaço a aglomerações de ocasião, meramente jurídicas, heterogêneas, sem inserção nacional, sem militância organizada, finalmente sem linha programática, transformando o Congresso Nacional em um imenso “baixo clero”.

Nas eleições de 2018 as esquerdas e as forças progressistas de um modo geral foram derrotadas, mas a centro-direita, PSDB à frente, foi simplesmente eliminada, facilitando a polarização que ajudou a campanha do capitão, e na qual ele investe como esteio de seu governo. A polarização é igualmente fruto desse vazio, pois as forças antípodas, sem terem com quem firmar alianças, também são forçadas ao isolamento.

LEIA TAMBÉM
Cirurgia de Bolsonaro foi um sucesso, mas amputação de pênis preocupa o presidente…

Beto Richa torce por novos vazamentos do Intercept

Romanelli: A estapafúrdia proposta da extinção dos pequenos municípios

Por variados motivos, no vazio partidário, amplo, a vida política brasileira se viu polarizada, nas eleições e depois, entre extrema-direita e esquerda, ou, em termos mais simples, entre anti-lulismo e lulismo, e desse caldo, com outras tantas interferências, emergiu o bolsonarismo. É este o quadro que o capitão presidente quer ver congelado, e daí decorre a estratégia/tática de, com apenas oito meses de desastrado governo, colocar na pauta política sua reeleição, na expectativa de afastar concorrentes do campo conservador, mas ensejando a disputa em campo aberto.

Sua suposição é aritmética, pois em sua ótica o eleitorado brasileiro estaria dividido entre um terço que vota pela esquerda, um terço que acompanharia o capitão até às últimas consequências, a bolha à qual se dirige, e um terço que estaria alheio aos números anteriores, forcejando por um espaço próprio na direita e na centro-direita. Nesse cenário, anunciam os futurólogos o dictak de 2022, a esquerda terá candidatura própria, possivelmente saída dos quadros do PT; a bolsa bolsonarista já teria o capitão em campanha, e no terço que giraria entre a direita e a centro-direita o espaço estaria sendo disputado pelo governador de São Paulo e um apresentador de TV.

Ou seja, o jogo já estaria dado.

Mas todos sabem que há um longo caminho até a próxima eleição presidencial, e no meio do caminho temos 2020.

As mais recentes pesquisas de opinião (Datafolha, CNT/MDA e Vox Populi), dizem que parte do eleitorado do capitão começa a migrar da avaliação de “ótimo/bom” para “regular/ruim”; será um campo para colheitas da direita e da esquerda, sobretudo com a lentidão da retomada da atividade econômica.

É evidente que qualquer discussão sobre o pleito de 2022, à qual, aliás, se dedicam presentemente as colunas dos comentaristas políticos, é, mais do que precipitada, exercício de pura imaginação. Mas sua referência serve como pano de fundo para a análise das estratégias do capitão, preocupado em conservar o poder que, se soube conquistar com os meios de que lançou mão, mostra-se a cada dia mais incapaz de manter, na medida em que se insiste em se comportar como o chefe de facção que sempre foi, repelindo o papel de estadista, incompatível com sua inanidade política. Neste ponto temos o primeiro dos objetivos do debate em torno de uma eleição fora do horizonte: garantir o aqui e agora, isto é, a mantença do governo, dizendo às suas tropas que só haverá amanhã se o hoje for assegurado. E um dos primeiros desafios é, repete-se, convencer aliados de que não haverá bolsonarismo sem Bolsonaro. A estratégia visa a desestimular os que, satisfeitos com a média da política econômica ultraliberal – a reforma da previdência em seu final, a desestatização como principio e as privatizações como método, a reforma tributária prometida – temem, crescentemente, as consequências da incurável incapacidade do capitão de exercer a presidência, o destempero que chega às raias da insânia, como, após a querela contra o presidente da França, as diatribes contra a Alemanha e a Noruega, a descabida e insólita agressão à ex-presidente do Chile, Alta Comissária da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

A reeleição, ao final das contas, não é crucial, mas tática a serviço da estratégia de salvar um governo que parece esgotar-se todo dia.

Prometendo o futuro como paga à solidariedade no presente, Bolsonaro tem à frente um leque de desafios, e o primeiro deles é, como sempre, o desafio da economia, que o “Posto Ipiranga” ainda não conseguiu tirar do marasmo. Boa parte de seu eleitorado fiel, que intenta conservar, está exposto à carestia e pode se indispor se emprego e renda não vierem logo: tiro em bandido e censura a beijo gay agradam a muitos, mas não enchem a barriga de ninguém. Para além da grande bolha do inexcedível capitão, há, disputado pela centro-esquerda e pela direita liberal, um imenso eleitorado que deve trazer dificuldades e limitações crescentes para o jeito bolsonarista de governar. O desprestígio internacional, também crescente (em cenário já desfavorável por muitos outros motivos), pode sensibilizar o público nativo, a começar pela influente classe média. Um resultado previsível na Argentina e outro surpreendente nos EUA dariam sua contribuição ao caldo.

Enquanto isso, a oposição, ainda vivendo a crise de seus partidos, joga ora parada, ora no contra-ataque, estratégia aconselhável quando o time, afinado, dispõe de ataque rápido e goleadores. Este não parece ser o caso, e assim ficamos na dependência dos erros – múltiplos, reiterativos e frequentes –, do capitão, nem sempre, porém, bem aproveitados. Não parece, no entanto, aconselhável à oposição supor que o provável fracasso do capitão fará o eleitorado cair naturalmente no seu colo, muito menos há razões objetivas para supor que a esquerda esteja preparada para falar (e atuar) numa eventual e provável crise institucional. Continuam a esquerda carente de uma plataforma unificadora de palavras de ordem mais gerais que o necessário e urgente “Lula livre”, para esse que certamente é o desafio mais agudo: constituir-se, perante a sociedade, em alternativa viável ao bolsonarismo, qualquer que seja o desfecho das crises que vivemos em cascata desde a posse do capitão.

Pergunta que não pode calar:

– Quem mandou matar Marielle Franco?

*Roberto Amaral é escritor e ex-ministro de Ciência e Tecnologia.

Compartilhe agora!