PT estuda pedir a prisão de Moro no Supremo

Publicado em 9 setembro, 2019
Compartilhe agora!

O Supremo Tribunal Federal (STF) pode decretar a prisão ministro da Justiça, Sérgio Moro, se o PT efetivamente ingressar com esse pedido na corte constitucional e os ministros considerarem o pleito.

O PT estuda o pedido de prisão do ex-juiz da Lava Jato após reportagem da Folha e do Intercept, deste domingo (8), mostrar a atuação da força-tarefa para derrubar a presidenta Dilma Rousseff e prender o ex-presidente Lula.

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), afirmou por meio de nota que Moro chefiou uma ação criminosa contra a democracia.

“Essa farsa criminosa foi urdida em conjunto por Moro, Deltan Dallagnol, o delegado Luciano Flores, atual chefe da PF no Paraná”, nomina Gleisi, sem, no entanto, esquecer a cumplicidade da Rede Globo no golpe de Estado.

Para o PT, o Brasil só vai reencontrar a paz quando restabelecer o estado de direito e a democracia na plenitude com a liberdade do ex-presidente Lula.

LEIA TAMBÉM
Cirurgia de Bolsonaro foi um sucesso, mas amputação de pênis preocupa o presidente…

Moro se reuniu secretamente na PF para discutir a #VazaJato

Lula sobre a #VazaJato: isso a Globo não mostra mesmo

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) também se manifestou sobre a #VazaJato. Segundo ela, duas decisões comprovadamente ilegais foram:

1- a prisão de Lula, para impedi-lo de se eleger presidente; e

2- o impeachment contra mim sem crime de responsabilidade. Sem a reparação das injustiças, o Estado Democrático de Direito não será plenamente restabelecido.

“Os habeas corpus que aguardam julgamento no Supremo Tribunal Federal tratando da suspeição do ex-juiz Sérgio Moro e dos procuradores da Lava Jato são de grande importância para restabelecer o Estado de Direito e para dar a Lula a possibilidade de um julgamento justo e por isso devem ser julgados com urgência”, complementam os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska T. Zanin Martins.

Os defensores do ex-presidente Lula fazem uma ressalva que corroboram a tese de Gleisi Hoffmann: “embora sejam irreparáveis os prejuízos causados por tais agentes públicos não apenas ao ex-presidente, mas à própria democracia do país.”

Compartilhe agora!