Para UNE, ministro da Educação é um incompetente que deveria ser demitido

A União Nacional dos Estudantes (UNE) acredita que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, deveria ser demitido a bem do serviço público.

Segundo o presidente da entidade estudantil, Iago Montalvão, o MEC (Ministério da Educação) bloqueou verbas e agora anuncia o desbloqueio de R$ 2 bilhões é o maior sinal de ineficiência para quem gosta tanto de falar de eficiência.

O presidente da UNE explicou que as instituições federais de ensino superior tiveram de adiar pagamento, devido ao contingenciamento, e agora terão de pagar juros e multas das contas em atraso.

“Isto é, uma vez bloqueado o recurso, além de paralisar atividades durante um bom tempo por economia de recursos (como funcionamento de laboratórios) há ainda um endividamento que amplia despesas públicas. O maior sinal de ineficiência, pra quem gosta tanto de falar de eficiência”, escreveu o dirigente.

A UNE está convocando uma greve geral da educação para os próximos dias 2 e 3 de outubro em todo o País.

LEIA TAMBÉM
Carla Zambeli continua espalhando mentiras sobre Orlando Silva

Urgente: Vígilia Lula Livre vive expectativa da soltura do ex-presidente

Glenn Greenwald perde a paciência com O Antagonista

O Blog do Esmael reproduz abaixo a íntegra da opinião do presidente da UNE, acerca do desbloqueio de verbas pelo MEC.

Fala, Iago Montalvão:

Embora seja uma vitória importante que parte dos recursos seja devolvido às universidades, e isso só é possível porque há PRESSÃO DA SOCIEDADE, boa parte das verbas que foram bloqueadas pelo MEC já tiveram algum efeito negativo sobre as IFES, inclusive aumentando as despesas.

1- As IFES ficaram alguns meses sem verbas de custeio suficientes para pagar fornecedores. Em boa parte dessas instituições só foi possível prosseguir com as atividades porque as reitorias contraíram dívidas (em serviços como energia, água, servidores terceirizados, etc.)…

Isso faz com que essas universidades e institutos federais tenham agora, além das suas despesas correntes, também as dívidas a serem pagas COM JUROS (!)…

Isto é, uma vez bloqueado o recurso, além de paralisar atividades durante um bom tempo por economia de recursos (como funcionamento de laboratórios) há ainda um endividamento que amplia despesas públicas. O MAIOR SINAL DE INEFICIÊNCIA, pra quem gosta tanto de falar de eficiência.

2- No meio desses bloqueios estão também o de milhares de bolsas de pesquisa. O que significa que milhares de projetos foram Interrompidos, pelo simples fato de que estudantes e cientistas não conseguem sobreviver sem a Bolsa, que é o seu salário enquanto trabalhador cientista…

Nesses casos não há volta. Uma vez que um projeto não teve início, muitos pesquisadores se destinam a outras atividades e sabe se lá quantas grandes descobertas nos não podemos ter perdido com isso.

3- Tudo isso pode gerar um COLAPSO nas contas das IFES para o ano que vem quando os reitores se depararem com, além das despesas correntes, um endividamento enorme com juros, e um orçamento que – pela proposta do governo – não será reajustado NEM PELA INFLAÇÃO.

É duro ter que ver a universidade em um desalento tão grande e a desonestidade por parte desse governo, que usa de toda sua máquina pra espalhar desinformação barata. Pelo menos admitam que o projeto é de destruição da universidade pública! Mas nós resistiremos.