Militantes da Vigília Lula Livre em ‘estado de alerta’ nesta quarta

Compartilhe agora!
Vigília Lula Livre. Foto: Cláudio Kbene.

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) julgará nesta quarta-feira (4), às 13h30, em Curitiba, um agravo de instrumento contra decisão que garante o funcionamento do acampamento da Vigília Lula Livre instalado nas imediações da sede da Polícia Federal, no bairro Santa Cândida, zona norte da capital.

O pedido para interditar a Vigília Lula Livre partiu do prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), sob o argumento de que perturba o sossego no entorno da Polícia Federal. O advogado da Vigília Lula Livre, Daniel Godoy, defende que o movimento segue os ditames da lei e tem funcionado de forma pacífica e ordeira. “É uma construção coletiva de milhares de pessoas do Brasil e até do exterior. É um fenômeno de apoio à liberdade e de defesa da democracia”, assinalou o causídico em entrevista na TV Esmael nesta manhã.

Greca requereu o “restabelecimento da proibição total de reunião do movimento responsável pelo descumprimento, sem prejuízo das demais sanções penais, civis ou administrativas pertinentes (…)”, diz um trecho do documento inicial.

LEIA TAMBÉM

Advogado da Vigília Lula Livre, Daniel Godoy, é entrevistado no Blog do Esmael

“Lula vale a luta”, diz carta da Vigília Lula Livre ao ex-presidente

Lula escreve carta à Vigília Lula Livre: “Vocês são a maior certeza que vale a pena acreditar no povo”

A Vigília Lula Livre resiste na capital paranaense há 515 dias, desde a chegada do ex-presidente Lula à PF em 7 de abril de 2018. É um ponto de referência da resistência democrática e contra o governo autoritário de Jair Bolsonaro (PSL).

O Partido dos Trabalhadores (PT) e um conjunto de organizações populares e sindicais sustentam uma continuada programação política, cultural e inter-religiosa em defesa da liberdade do ex-presidente Lula.

Assista ao vídeo:

Compartilhe agora!