Intercept desvenda esquema de grampos na Lava Jato

Compartilhe agora!

Na vigésima etapa da #VazaJato, o site The Intercept Brasil desvendou ‘perifericamente’ o esquema de grampos da força-tarefa Lava Jato.

‘Perifericamente’, esclareça-se desde já, porque a reportagem principal dos jornalistas Leandro Demori e Rafael Neves teve como foco o “Ok” do então juiz Sérgio Moro para que procuradores pressionassem filha para capturar o pai.

A trama em que os procuradores pediram medidas contra filha de Raul Schmidt, empresário radicado em Portugal para tentar extradição dele, foram reveladas por meio de mensagens trocadas pelo Telegram.
Vamos ao que interessa.

Lá pelas tantas, no dia 1º de fevereiro de 2018, o procurador Athayde Ribeiro Costa não teve dúvidas para dar o comando: “Intercepta ela. Se ela habilitar o celular e usar lá, tem a ERB”, disse.

O próprio Intercept fez um breve esclarecimento do que seria o tal ‘ERB’: “Sigla para ‘estação rádio base’. Trata-se do equipamento que faz a conexão entre as companhias telefônicas e os aparelhos celulares. Por meio da ERB é possível identificar o local em que estavam os investigados no momento das ligações que interessam à investigação.”

LEIA TAMBÉM
Dilma: “Vazamentos seletivos não me intimidarão”

Deu chabu na reforma da previdência no Senado

#VazaJato terá bomba internacional, antecipa editor do Intercept

Além do agora famoso ‘ERB’, a #VazaJato afirma que os procuradores –sempre com a anuência do ex-juiz Moro—queria muito mais que apreensão de passaportes. Eles queriam devassar contas e os sigilos dela no WhatsApp.

“Não queria apenas a apreensão do passaporte, mas também outras medidas: busca e apreensão na casa de Nathalie, bloqueios em contas bancárias dela e da empresa dela, quebras de sigilo fiscal e do sigilo das mensagens de um número dela no WhatsApp”, diz o texto do Intercept.

Muitos acreditam, erroneamente, que não é possível rastrear mensagens criptografadas do WhatsApp. Ledo engano. O whatsApp é um provedor de aplicações cuja regulamentação se encontra no Marco Civil da Internet (Lei nº Lei 12.965/14).

A Lei brasileira é clara há mais de cinco anos sobre a obrigatoriedade da guarda de dados pelos provedores de conexão (60 dias) e de aplicações de internet (6 meses). Ou seja, conversas, vídeos e áudios de todos estão por aí para serem bisbilhotados…

Não é à toa que os procuradores da força-tarefa e o ex-juiz Sérgio Moro foram buscar privacidade em um aplicativo russo, o Telegram. Como eles “caíram” ainda é uma incógnita. Nem os repórteres do Intercept revelam como conseguiram os arquivos nem as personagens da #VazaJato abrem como isso aconteceu.

A história de que os celulares dos envolvidos teriam sido hackeados surtiu efeito de sonho de uma noite de verão. A narrativa não se sustentou e a velha mídia nunca mais voltou a falar dos supostos “Hackers de Araraquara”.

Em tempo: cadê os hackers de Araraquara?

Confira as mensagens divulgadas hoje (11) pela #VazaJato:

1º de fevereiro de 2018 – Grupo Filhos do Januário 2

Diogo Castor de Mattos – 16:52:58 – prezados, gostaria de submeter à analise de todos a questão da operação na filha do raul schmidt.. basicamente, ela esta envolvida em algumas lavagens por ser beneficiária de uma offshore do pai.. pensamos em fazer uma operação nela para tentar localizá-lo.. oq acham?
Paulo Roberto Galvão – 16:56:11 – pegar o celular?
Castor de Mattos– 16:57:53 – eh
Deltan Dallagnol – 17:05:13 – Nse fizer, ele some no mesmo dia…
Dallagnol – 17:05:21 – ele muda de lugar
Castor de Mattos– 17:10:47 – mas ela mandou renovar o passaporte e entoru com pedido de visto em portugal..
Castor de Mattos– 17:11:04 – se nao fizermos nada ela foge do país e nunca mais achamos
Dallagnol – 17:14:04 – mas o que ganha? -salvo se realmente achar que ela tá envolvida nos crimes, não haverá provas deles -quanto à loalização dele, pode até achar, mas terá poucas horas pra prendê-lo, ou menos de poucas horas, tendo de mobilizar polícia fora em país que não sabemso qual em território de fronteiras abertas UE
Castor de Mattos– 17:15:36 – na minha perspectiva, ela nao poder sair do país é um elemento de pressão em cima dele
Castor de Mattos– 17:15:57 – e ai estamos falando de imóveis adquiridos em nome dela no exterior de USD 2 milhoes
Athayde Ribeiro Costa – 17:25:22 – Intercepta ela. Se ela habilitar o cel e usar la, tem a erb
Castor de Mattos– 17:26:22 – mas o cara tá na europa
Compartilhe agora!