Há um ano, Bolsonaro levava a facada de Adélio Bispo

O dia 6 de setembro ficou lembrado por Jair Bolsonaro como o ‘Dia do Atentado”, mas, para a nação brasileira como o ‘Dia da Tragédia’ devido sua eleição à Presidência da República.

Até hoje as circunstâncias da facada ainda são obscuras e o agressor, Adélio Bispo de Oliveira, foi declarado inimputável e mantido incomunicável num presídio de segurança máxima no Mato Grosso do Sul. A Justiça proibiu que ele conceda entrevistas à imprensa.

Classificado como doente mental, Bispo aproveitou-se de um evento de campanha de Bolsonaro, no dia 6 de setembro de 2018, em Juiz de Fora (MG), para atacar o então candidato do PSL.

LEIA TAMBÉM
Augusto Aras na PGR é derrota da Lava Jato e humilhação para Moro

A íntegra da entrevista de Lula para a CartaCapital

TRF-4 libera visita de religiosos a Lula

As estranhezas desde aquela época não pararam de surgir, aos olhos dos brasileiros:

* como Adélio Bispo foi parar em Juiz de Fora, sem apoio logístico de ninguém?

* por que Adélio Bispo frequentou o mesmo clube de tiro dos filhos do presidente da República, antes do atentado?

* por que um pastor disse iria curar bolsonaro, antes da facada, colocando a mão na altura do seu abdômen?

A teoria da conspiração acerca da facada de Bolsonaro foi alimentada pela velha mídia, a exemplo do Estadão, que anunciou em fevereiro de 2019 a última sessão de quimioterapia do presidente.

Neste domingo (8), um ano após a facada, Bolsonaro voltará ao hospital para uma nova cirurgia. De acordo com informações oficiais, a intervenção será para a retirada de uma hérnia no lado direito da parede abdominal, perto da cicatriz [da facada].

Compartilhe agora