Bolsonaro recomenda livro de torturador para professora de esquerda

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) Jair Bolsonaro recomendou nesta segunda-feira (30) que uma professora de esquerda lesse o livro “A Verdade Sufocada – A história que a esquerda não quer que o Brasil conheça”, do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra.

LEIA TAMBÉM:
Urgente: Vígilia Lula Livre vive expectativa da soltura do ex-presidente

Requião: ‘Só desordeiros ou corruptos podem se opor à lei contra abuso’

Deltan reconhece que a Lava Jato está no bico do corvo

Um aluno de um grupo que estava em frente ao Palácio da Alvorada pediu ao presidente que mandasse um abraço para um professora, sem dar detalhes. Bolsonaro então questionou se a docente era de esquerda e ouviu do estudantes que sim, era petista.

“Fala para ela ler o livro ‘A verdade sufocada’ aí. Só ler. Depois ela tira as conclusões. Lá são fatos, não é blá, blá, blá de esquerdista, não”, disse o presidente.

Morto em 2015, o coronel Ustra comandou o Destacamento de Operações Informações (DOI-Codi) em São Paulo. Ele foi condenado em 2008 por prática de tortura na ditadura militar.

Entre 29 de setembro de 1970 a 23 de janeiro de 1974, período em que o coronel esteve à frente do DOI-Codi, foram registradas ao menos 45 mortes e desaparecimentos forçados, de acordo com relatório elaborado pela Comissão Nacional da Verdade, que apurou casos de tortura e sumiço de presos políticos durante os governos militares.

Com informações do O Globo.