Bolsonaro quer privatizar os dados sigilosos dos brasileiros

Publicado em 6 setembro, 2019
Compartilhe agora!

Informações estratégicas para o país e dados sigilosos de milhões de brasileiros e brasileiras passarão para as mãos da iniciativa privada se o governo Bolsonaro (PSL) levar adiante a proposta de privatização do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro).

A Serpro é uma empresa pública de tecnologia formada por quatro mil sistemas de informação, incluindo Cadastro de Pessoas Físicas (CPFs), Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJs), operações de comércio exterior, cadastro de veículos e declarações de imposto de renda, entre outros.

Melhor empresa do setor digital segundo o ranking “Maiores e Melhores” da revista Exame em agosto do ano passado, o Serpro registrou lucro líquido de quase R$ 460 milhões em 2018.

A estatal foi incluída no mês passado na lista de empresas que Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, pretendem leiloar, com possibilidade de desnacionalização.

LEIA TAMBÉM
Censura de Crivella aumentou as vendas e fez edição de HQ esgotar

Cartunistas protestam contra a censura em Porto Alegre

Efeito Bolsonaro: Gigante mundial da moda boicota couro do Brasil

Augusto Aras na PGR é derrota da Lava Jato e humilhação para Moro

“Nós somos uma empresa de grandes demandas, que usa um banco de dados de tamanho imensurável. O Serpro faz um investimento alto na segurança de dados. A iniciativa privada não vai fazer o investimento que a Serpro faz. A diferença fundamental é que TI [Tecnologia da Informação] pública tem a visão social, e a privada é com foco no capital, no lucro”, avalia Telma Dantas, trabalhadora da Serpro e diretora de políticas sindicais da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Processamentos de Dados (Fenadados).

A empresa tem 11 escritórios em várias regiões do país, com cerca de 10 mil funcionários e mais de 50 anos de experiência no setor.

As informações são do Brasil de Fato.

Compartilhe agora!