Aras assume um MPF destruído pela Lava Jato e Janot

Publicado em 28 setembro, 2019
Compartilhe agora!

O novo procurador-geral da República, Augusto Aras, chefe do Ministério Público Federal, tenta salvar a instituição destruída pela Lava Jato e pelo ex-PGR Rodrigo Janot.

Há um esforço de Aras no sentido de manter alguma coisa, mas é difícil, pois foi detonada a imagem do Ministério Público.

Então comandante-em-chefe da Lava Jato, em 2017, Janot confessou que foi armado para uma sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) com o intuito de assassinar o ministro Gilmar Mendes. A ideia do ex-PGR era se matar em seguida, mas afrouxou na hora H.

Acerca desse episódio que chocou os mundos político e jurídico, Aras luta para soltar os anéis para preservar os dedos. A tarefa é quase impossível, mas vamos lá.

LEIA TAMBÉM
Lava Jato à espera de nova bomba do Intercept

Lula: ‘Eu só saio daqui 100% inocente’

Globo faz campanha a favor do abuso de autoridade

Em nota, o PGR assim se expressou:

“O Ministério Público Federal é uma instituição que está acima dos eventuais desvios praticados por qualquer um de seus ex-integrantes. O procurador-geral da República Augusto Aras considera inaceitáveis as atitudes divulgadas no noticiário a respeito de um de seus antecessores. E afirma confiar no conjunto de seus colegas, homens e mulheres dotados de qualificação técnica e denodo no exercício de sua atividade funcional. Os erros de um único ex-procurador não têm o condão de macular o MP e seus membros. O Ministério Público continuará a cumprir com rigor o seu dever constitucional de guardião da ordem jurídica”.

Errado, doutor Aras. Os erros são sistêmicos –Lava Jato e Janot– e já macularam faz tempo o Ministério Público. E não foi por falta de avisos.

A Lava Jato e o ex-PGR deram P.T. (perda total) no MP.

Compartilhe agora!