romanelli pedagio

Após acordo com Lava Jato, pedageira arremata 1º leilão de rodovias do governo Bolsonaro

A EcoRodovias arrematou o primeiro leilão para concessão de rodovias feito pelo governo Bolsonaro. A pedageira ficou famosa após firmar acordo de leniência de R$ 400 milhões com a Lava Jato.

De acordo com a jornalista Laís Laíny, do site Catve.com, a EcoRodovias Concessões e Serviços S.A. venceu o certame e vai administrar a BR-364/365 entre Uberlândia (MG) e Jataí (GO).

A EcoRodovias se comprometeu a cobrar a tarifa de pedágio de R$ 4,69, oferecendo desconto de 33,14%.

Ainda de acordo com a jornalista cascavelense, os trechos que serão concedidos totalizam 437 km e prevê investimentos de R$ 4,59 bilhões pelo período de 30 anos.

A licitação é da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), EPL (Empresa de Planejamento e Logística), Ministério da Infraestrutura e Secretaria do Programa de Parcerias de Investimento.

LEIA TAMBÉM
Uso da maconha para fins medicinais tem apoio de 75% da população

Quase 28 milhões de brasileiros estão sem trabalho, aponta IBGE

Bolsonaristas tresloucados acusam Raoni de contrabandear ouro para a França; assista

EcoRodovias na Lava Jato

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) foi um dos mais ásperos críticos do acordo de leniência firmado entre as concessionárias de pedágio e os procuradores da Lava Jato.

Segundo o parlamentar socialista, em artigo no Blog do Esmael, o acordo de leniência mostrou que o crime “compensou” no caso das concessionárias que cobravam pedágio mas não realizavam obras previstas em contrato.

Romanelli calcula que as pedageiras causaram um rombo de R$ 3 bilhões e sangria na economia do Paraná chegará a R$ 21 bilhões até 2021, quando os lesivos contratos terminam.

Para “sextar” de vez, o Blog do Esmael lembra o distinto leitor que o acordo de leniência obrigou às pedageiras a instalação de programas de compliance com apresentação de relatórios anuais sobre ética e transparência, bem como a submissão a monitoramento pelo prazo de 32 meses por profissionais independentes que seriam custados pelas próprias concessionárias (supervisionado pelo MPF, é claro).

Para quem não entendeu, os programas de compliance são a “sequência natural” das delações premiadas…