Andifes protesta na Câmara contra os ataques às universidades públicas

Vinte e três ex-presidentes da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior, a Andifes, publicaram um manifesto em defesa das universidades federais. O documento foi entregue à Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (17), e recebeu apoio de parlamentares do campo progressista como Alice Portugal e Jandira Feghali, ambas do PCdoB.

Os docentes também pediram ajuda aos parlamentares para abrir um canal de diálogo com o Ministério da Educação (MEC) e debater as necessidades das instituições públicas de ensino superior. Muitas universidades estão ameaçadas de terem suas atividades interrompidas por falta de recursos para sua manutenção.

LEIA TAMBÉM
Frente em defesa da Soberania Nacional será lançada em São Paulo na quinta

Lula quer a Globo na #VazaJato

Em fase de desmonte, Lava Jato libera Léo Pinheiro da prisão em Curitiba

De acordo com a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), que participa da coordenação da Frente Parlamentar pela Valorização das Universidades Federais, a luta em defesa do ensino público de nível superior no país é urgente. “Temos que liberar os recursos para as universidades, porque elas podem não chegar abertas até o fim do ano”, advertiu.

Leia abaixo o manifesto dos ex-presidentes da Andifes:

Nós, ex-presidentes da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior, Andifes, ao longo de sua existência, desde sua fundação em 1989, nos pronunciamos sobre a urgente necessidade de diálogo direto e responsável entre o Governo Federal e a Andifes, assim como com os dirigentes das instituições federais de ensino superior do País.

Hoje presentes em todas as unidades da Federação, as Universidades Federais são responsáveis pela formação de profissionais, docentes, pesquisadores e cidadãos em todo o Brasil, desde a instituição da primeira universidade federal pelo Governo, há cerca de um século.

A sociedade brasileira tem manifestado sua preocupação em relação ao bloqueio orçamentário das Universidades Federais em, pelo menos, 30%, atingindo, em alguns casos, mais de 50% das despesas discricionárias. Se mantido, o contingenciamento poderá comprometer o funcionamento de mais de 300 campi instalados em todos os rincões do extenso território brasileiro, além de milhares de unidades de ensino, pesquisa e extensão.

As Universidades Federais, somadas a outras instituições de formação e pesquisa públicas, concentram mais de 90% de toda a produção científica do País, levando o Brasil a ocupar a 14a posição na produção cientifica mundial, das humanidades às engenharias, passando por todas as áreas do conhecimento humano. Preservar e expandir este patrimônio nacional é dever do Estado brasileiro.

O Parlamento tem se manifestado e se comprometido com a busca do diálogo e caminhos para evitar o corte no orçamento das Universidades Federais. Há que se reconhecer e estimular o esforço de deputados e senadores e, sobretudo, da Frente Parlamentar pela Valorização das Universidades Federais. O diálogo é a palavra-chave desses caminhos demandados pelos brasileiros.

A educação em geral e a educação superior se constituem em direitos legitimamente aspirados pela sociedade brasileira, principalmente a educação de qualidade, socialmente referenciada, pertinente às demandas do desenvolvimento do Brasil, como bem público, direito da sociedade e dever do Estado.

A Conferência Regional de Educação Superior (CRES) da América Latina e Caribe, reafirmou, em 2018, o papel da universidade e da educação superior para a construção de sociedades mais justas, equânimes e solidárias, de acordo com as Conferências Mundiais de Educação Superior (CMES) da Unesco, reunidas em Paris em 1998 e 2009.

Ao longo de seus 30 anos, a Andifes sempre se pautou pelo diálogo direto com as autoridades governamentais. Não será distinto agora no que se refere à proposta do MEC, denominada “Future-se”. O diálogo é imperativo e absolutamente necessário, mas é inadmissível a transferência da gestão acadêmica, administrativa e financeira das Universidades Federais para Organizações Sociais, afrontando o princípio constitucional da Autonomia Universitária, nos termos do Artigo 207 da Constituição Federal. Há que se preservar, igualmente o papel das Reitorias e dos Conselhos Superiores. O debate maior certamente se dará com a sociedade brasileira através do Parlamento brasileiro.

Hanna Arendt nos ensinou que a história mostra que, em momentos de crise, a opção pela educação e pelo conhecimento sempre frutificou.

Ao diálogo, pois, com a construção de soluções concretas e priorização da educação e do conhecimento. As Universidades Federais sao patrimônio inalienável da sociedade brasileira, preservemo-lo.

Assinam:

Alan Kardec Martins Barbiero (UFT) 2009-2010
Amaro Henrique Pessoa Lins (UFPE) 2008-2009
Ana Lucia Almeida Gazzola (UFMG) 2004-2005
Angela Maria Paiva Cruz (UFRN) 2016-2017
Antonio Diomário de Queiroz (UFSC) 1995-1996
Arquimedes Diogenes Ciloni (UFU) 2007-2008
Carlos Edilson de Almeida Maneschy (UFPA) 2012-2013
Emidio Cantidio de Oliveira Filho (UFRPE) 2000-2001
Emmanuel Zagury Tourinho (UFPA) 2017-2018
Jesualdo Pereira Farias (UFC) 2013-2014
Joao Luiz Martins (UFOP) 2011-2012
José Ivonildo do Rego (UFRN) 1998-1999
Maria Lucia Cavalli Neder (UFMT) 2015-2016
Nelson Maculan Filho (UFRJ) 1992-1993
Newton Lima Neto (UFSCAR) 1994-1995
Odilon Antonio Marcuzzo do Canto (UFSC) 1996-1997
Osvaldo Baptista Duarte Filho (UFSCAR) 2005-2006
Paulo Speller (UFmt)2006-2007
Reinaldo Centuducatte (UFES) 2018-2019
Rodolpho Joaquim Pinto da Luz (UFSC) 1999-2000
Targino de Araujo Filho (UFSCAR) 2014-2015
Tomás Aroldo da Mora Santos (UFMG) 1997-1998
Wrana Maria Panizzi (UFRGS) 2003-2004

Com informações do Vermelho e da Andifes.