Tentando continuar na PGR, Raquel Dodge atrasou investigações sobre Bolsonaro

Publicado em 13 agosto, 2019

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, atrasou em mais de 120 dias investigações sobre o presidente Bolsonaro (PSL). Ela ainda tinha esperanças de ser reconduzida ao cargo por mais dois anos.

Mas semana passada, sentindo que seu nome não estava mais no páreo, Dodge desengavetou os processos e mandou de volta para a primeira instância.

.

LEIA TAMBÉM
Em baixa, Moro diz que Bolsonaro é o candidato em 2022

Atos contra Bolsonaro nas capitais e em mais de 150 cidades nesta terça

Personalidades internacionais assinam abaixo-assinado por Lula livre

.

Bolsonaro afundou a campanha de Marci na Argentina, avalia Gleisi

Um dos casos em apuração é o de Wal do Açaí. Moradora de Angra dos Reis (RJ), Walderice Conceição atuou como funcionária fantasma na época em que o hoje presidente era deputado federal, conforme revelou a Folha de São Paulo.

O outro caso envolve Nathalia Queiroz, que “trabalhava” ao gabinete de Jair Bolsonaro na Câmara ao mesmo tempo em que atuava como personal trainer.

.

Ela é filha de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) que se tornou estopim de investigações contra o filho do presidente.

Vamos ver se agora essas falcatruas todas serão finalmente elucidadas.

Com informações da Folha de São Paulo.