STF formou maioria contra a redução de salários dos servidores

Compartilhe agora!

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal votou nesta quinta-feira (22) para proibir que estados e municípios reduzam a jornada de trabalho e o salário dos servidores públicos.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro pode ser responsabilizado por crime contra humanidade

Macron diz que Amazônia ‘arde em chamas’ e pede reunião urgente no G7

Dilma: A soberania queima junto com a Amazônia e a venda da Petrobras

Bolsonaro volta a acusar ONGs de queimarem a Amazônia

A redução salarial temporária está prevista na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), mas foi suspensa em 2002 pelo Supremo por ferir a Constituição. Os salários seriam reduzidos junto com a jornada de trabalho quando os gastos com pessoal ultrapassassem o teto previsto em lei, de 60% da Receita Corrente Líquida (RCL).

Seis dos 11 ministros entenderam que a redução fere o princípio constitucional de irredutibilidade, contrariando a demanda de estados e municípios que ultrapassam o limite legal.

Votaram contra a redução os ministros Edson Fachin, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski Luiz Fux e Marco Aurélio Mello.

Votaram para permitir a redução os ministros Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes e o presidente da Corte, Dias Toffoli.

O decano Celso de Mello estava ausente por motivo de saúde. A análise só será retomada após o retorno do ministro.

As informações são do G1.

Compartilhe agora!