Ministro Marcos Pontes anuncia diretor interino do Inpe

Compartilhe agora

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTIC), Marcos Pontes, anunciou na noite de ontem (5) Darcton Policarpo Damião para ocupar interinamente a diretoria do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Ele substitui o ex-diretor Ricardo Galvão, que foi exonerado do cargo.

“Ele [Damião] é doutor na área de desmatamento, tem passagem pelo Inpe, é uma pessoa de confiança e tem capacidade de gestão. Será um ótimo diretor interino para dar continuidade nesse trabalho”, disse Pontes em um vídeo postado nas redes sociais.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro: “Eu, Johnny Bravo, ganhou, porra!”

Ex-ministros divulgam manifesto contra o desmonte da saúde pública

Bolsonaro leva brasileiros a se endividam cada vez mais

O ministro também afirmou no vídeo que o que o diretor interino deve permanecer no cargo até que seja estabelecido o comitê de busca com três nomes, de onde deve sair o diretor oficial.

O regimento interno do Inpe, aprovado pela Portaria n° 897, de 3 de dezembro de 2008, prevê que a escolha do diretor deve ocorrer por meio de uma lista tríplice elaborada por um comitê.

Damião é formado em Ciências Aeronáuticas na Academia da Força Aérea (AFA), tem MBA em Gestão Empreendedora pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), mestrado em Sensoriamento Remoto pelo Inpe e doutorado em Desenvolvimento Sustentável na Universidade de Brasília (UnB), conforme currículo divulgado pelo MCTIC.

O ocupante anterior do cargo, Ricardo Galvão, deixou o Inpe após criticar declarações de Bolsonaro sobre o trabalho do instituto. No último dia 19, em entrevista a correspondentes internacionais, o presidente disse que Galvão estava “à serviço de alguma Ong” e que os dados fornecidos pelo Inpe sobre as taxas de desmatamento da Amazônia eram “mentirosos”. Em resposta às acusações, Galvão afirmou que Bolsonaro “tomou uma atitude pusilânime e covarde. Galvão foi exonerado na última sexta-feira (2).

No vídeo, Pontes ainda afirmou que a situação de Galvão ficou “constrangedora” e “complexa”.

“A situação ficou constrangedora, muito difícil, em função de ele ter discutido com o presidente. A situação ficou complexa. O Galvão se sentiu bastante desconfortável de permanecer”, disse o ministro.

Assista ao vídeo:
https://www.facebook.com/MCTIC/videos/411195876157131/?t=32
Com informações da Agência Brasil.