Membros da Comissão de Mortos e Desaparecidos são substituídos por Bolsonaro

Compartilhe agora

O presidente Bolsonaro e sua ministra da Família, Damares Alves, trocaram integrantes da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos após a presidente da Comissão ter criticado a postura de Bolsonaro sobre os crimes da ditadura.

A procuradora Eugênia Gonzaga, que presidia a Comissão foi substituída por Marco Vinicius Pereira de Carvalho, que é filiado ao PSL e assessor especial de ministra Damares.

LEIA TAMBÉM
Em carta, Lula se solidariza com Felipe Santa Cruz por fala de Bolsonaro

PSOL aciona a PGR contra Bolsonaro por fala sobre o pai do presidente da OAB

É uma clara retaliação do governo ao trabalho da Comissão, que desmentia a narrativa de Bolsonaro, sobre as mortes de militantes durante a ditadura.

Outros três integrantes do órgão foram substituídos, entre eles o deputado federal Paulo Pimenta, do PT. A alteração foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (1º), com as assinaturas do presidente e da ministra.

A Comissão sobre Mortos e Desaparecidos Políticos foi criada em 1995, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

A lei nº 9.140 estabelece que o colegiado realizará o reconhecimento de desaparecidos por atividades políticas entre 1961 a 1979, período que engloba a ditadura militar (1964-1988) até o ano em que foi promulgada a Lei da Anistia.

Com informações do Bem Paraná.