Festival de Cinema de Gramado tem protesto contra Bolsonaro

Compartilhe agora!

A 47ª edição do Festival de Cinema de Gramado (RS) foi marcada no sábado (17) por protestos contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e homenagens à ativista Marielle Franco. Da plateia, vinham gritos de “viva o cinema brasileiro!” e “fora, Bolsonaro!”. A atriz Sonia Braga prestou um tributo à memória de Marielle Franco.

A reação do público já era esperada, não só pela escolha de Bacurau para abrir a edição deste ano mas, também, devido às recentes declarações do presidente Jair Bolsonaro acerca de mudanças na Ancine, com a criação de um filtro que seria aplicado aos filmes que tentassem obter financiamento público.

O sucesso Bruna Surfistinha, visto por 2,1 milhões de espectadores, foi citado como exemplo de filme cuja aprovação “seria inadmissível”, o que gerou resposta da protagonista do longa-metragem, Deborah Secco.

No palco para apresentar Bacurau em sua primeira exibição pública em solo brasileiro, o diretor Kleber Mendonça Filho convocou elenco e equipe técnica do filme a se identificarem, pedindo respeito. “Bacurau é um projeto que venho desenvolvendo com meu grande amigo Juliano Dornelles e com minha grande companheira Emilie Lesclaux nos últimos 10 anos e, durante este período, a gente foi acumulando pessoas que foram entrando direto com outros profissionais. Somos todos aqui profissionais da área da cultura e queria passar o microfone para cada um dizer o que faz no filme e seu nome, com muito orgulho, porque somos profissionais da área da cultura e exigimos respeito!”. A cada apresentação, uma nova ovação.

Logo em seguida foi exibido O Homem Cordial, o primeiro filme da mostra competitiva nacional deste ano, que também contou com protestos no palco. O mais contundente veio do ator e rapper Thaíde: “Participar de um filme como O Homem Cordial, que conta uma história tão contundente e original, verdadeira, atual como este, é também uma questão de responsabilidade. E um recado direto para aqueles que querem podar, que querem inibir o cinema brasileiro. Enquanto existirem diretores com a coragem de Iberê Carvalho, como tantos outros diretores no Brasil, vocês estarão perdidos. Nunca se esqueçam disto!”

Bolsonaro não quer filmes com temas LGBTQ aprovados pela Ancine

Estrelado por Paulo Miklos, O Homem Cordial traz a história de um cantor de rock acusado pelo assassinato de um policial, após um vídeo amador viralizar na internet. Confira nossa crítica!

Drama adolescente sobre uma nadadora introspectiva que desenvolve uma rivalidade com uma colega, Raia 4 fechou a segunda noite de mostra competitiva sob fortes aplausos. Seu diretor, Emiliano Cunha, é um dos muitos realizadores que estão na serra gaúcha protestando contra censura no audiovisual, em reação às ameaças obscurantistas de Jair Bolsonaro de “filtrar” o que pode ser fomentado pela agência.

O alvo do presidente são obras sobre assuntos que o desagradam – na quinta-feira, véspera do início de Gramado, ele citou produções que não deveriam ser aprovadas pelo órgão, a maioria com temática LGBT. “Alguns desses projetos que Bolsonaro quer censurar são de amigos meus. Nosso filme existe hoje, mas talvez não pudesse existir em 2020”, afirmou um membro da equipe do curta-metragem Marie, de Leo Tabosa, sobre uma mulher transexual que retorna ao sertão para enterrar seu pai.

A equipe do curta, projetado também na noite deste sábado, disse que vai se inspirar em Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, para resistir contra a censura. Longa de abertura em Gramado, Bacurau – que venceu o prêmio da crítica em Cannes e neste fim de semana levou três prêmios, incluindo o de melhor filme , no Festival de Cine de Lima, no Peru – retrata uma comunidade do sertão pernambucano invadida por atiradores estrangeiros e sádicos. “Somos profissionais da cultura e exigimos respeito”, afirmou Mendonça Filho no Palácio dos Festivais, onde são exibidos os filmes.

No encontro com a imprensa, Sonia Braga, uma das atrizes do filme Bacurau, dedicou sua personagem a Marielle Franco e perguntou quem a matou.

Com estreia marcada para 29 de agosto, Bacurau é encerrado com uma mensagem afirmando que a produção deu emprego a 800 pessoas. É o mesmo número de O Homem Cordial, de Iberê Carvalho, que abriu a mostra competitiva na sexta. A quantidade de postos de trabalho gerados pelos filmes vem sendo reforçada pelos cineastas em Gramado para mostrar que o audiovisual é um setor importante para a economia.

*Com informações do Terra e G1

Compartilhe agora!