Por Esmael Morais

Desembargador inclui depoimento de delator coagido em defesa de Lula

Publicado em 10/08/2019

O relator dos processos da Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), desembargador João Pedro Gebran Neto, solicitou que a 3ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo autorize a inclusão do depoimento do ex-diretor da Odebrecht Carlos Armando Guedes Paschoal na apelação do processo do sítio de Atibaia, em que o ex-presidente Lula (PT) foi condenado neste ano.

LEIA TAMBÉM:
Reinaldo Azevedo vê ‘armação ilimitada’ no caso PT-PCC

Força-tarefa Lava Jato se desmilingue em setembro

Promotor desmente ‘fake news’ de negociação entre PT e PCC

A inclusão do depoimento é um pedido da defesa de Lula. A alegação é de que Paschoal prestou esclarecimentos a respeito do contexto em que foi realizada sua delação, e que isso teria papel relevante no julgamento do recurso. Em julho, ex-diretor da Odebrecht disse à Justiça de São Paulo que foi “quase que coagido a fazer um relato” no caso do sítio de Atibaia.

“No caso do sítio, que eu não tenho absolutamente nada, por exemplo, fui quase que coagido a fazer um relato sobre o que tinha ocorrido. E eu, na verdade, lá no caso, identifiquei o dinheiro para fazer a obra do sítio. Tive que construir um relato”, afirmou Paschoal na ocasião.

No despacho, Gebram afirma que entende “como necessário, até mesmo para assegurar às partes o adequado contraditório, seja oficiado ao Juízo da 3.ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo/SP, solicitando, a fim de instruir a presente apelação criminal, o depoimento do colaborador”.

A apelação do ex-presidente Lula está em análise no TRF-4. Ainda não há data para julgamento.

Com informações do G1..