Depois de massacres, Trump fala em controle rígido de armas nos EUA

Compartilhe agora
(AP Photo/John Minchillo)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, propôs nesta segunda-feira (5), que os republicanos e os democratas façam um acordo em torno de um controle mais rígido das armas de fogo, ligando esta iniciativa ao seu projeto de reforma da imigração.

“Republicanos e democratas devem se unir e obter verificações sólidas de antecedentes, talvez agregando essa legislação à reforma da imigração desesperadoramente necessária”, tuitou Trump pouco antes de se dirigir à nação após dois massacres que deixaram o fim de semana 29 mortos e dezenas feridos no Texas e em Ohio.

Bolsonaro ameaça nomear Eduardo ministro caso ele seja barrado para embaixada

Novo ataque a tiros nos EUA deixa 10 mortos e 16 feridos

Trump disse no domingo, após os ataques, que “o ódio não tem lugar” nos Estados Unidos. Ele não atribuiu os massacres ao racismo, mas a doenças mentais.

“São pessoas que realmente têm doenças mentais muito, muito graves”, disse ele, uma declaração que a polícia não confirmou. “Temos que fazer isso parar. Isso vem acontecendo há anos”, acrescentou.

Trump ainda culpou os meios de comunicação pelos tiroteios que deixaram 29 mortos no final de semana. “A mídia tem uma grande responsabilidade para com a vida e a segurança em nosso país”, tuitou Trump.  “As Fake News contribuíram em muito para a raiva e a fúria acumuladas ao longo de muitos anos. A cobertura das notícias tem que ser justa, equilibrada e imparcial, ou esses problemas terríveis só vão piorar!”, enfatizou.