Deltan usou a REDE como laranja contra Gilmar Mendes

Compartilhe agora!

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa Lava Jato, usou a Rede de Sustentabilidade como partido laranja para espezinhar o ministro do STF Gilmar Mendes. A informação é do UOL, que analisou novas conversas do arquivo #VazaJato obtido por fonte anônima do site Intercept.

De acordo com os diálogos de Deltan e integrantes da força-tarefa, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) atuou como “laranja” dos procuradores ao apresentar uma ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) no Supremo Tribunal Federal para impedir que Gilmar soltasse presos em processos que ele não fosse o juiz da causa.

A bronca de Deltan era com a soltura do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB), preso em setembro de 2018 na operação Rádio Patrulha, nas vésperas das eleições. O tucano era candidato ao Senado. Na época, Gilmar decidiu de ofício soltar Richa –sem ser provocado e sem sorteio.

LEIA TAMBÉM
Alexandre Frota não votou a favor do fim da Previdência

Por 370 votos a 124, Câmara aprova o fim da aposentadoria na reforma previdência

Moro sofre mais uma derrota no Congresso

De acordo com reportagens da #VazaJato, Deltan Dallagnol não queria apenas incriminar o ministro do STF; o objetivo do coordenador da força-tarefa era afastá-lo do Supremo por meio de um impeachment, por isso, segundo os arquivos do Intercept, Deltan mirou na cabeça de Gilmar.

Os procuradores da Lava Jato ao justificarem entre eles o uso da Rede como “laranja” na ADPF, nos chats privados do Telegram, afirmavam que a soltura de Richa “de ofício” também poderia ser o mecanismo para libertar o ex-governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB), igualmente preso em setembro de 2018 na Operação Cash Delivery.

O UOL recorda que o Ministério Público Federal (MPF), qual seja, a Lava Jato, não está no rol taxativo do art. 103 da Constituição de entes que podem propor a ADPF no Supremo:

– o Presidente da República;

– a Mesa do Senado Federal;

– a Mesa da Câmara dos Deputados;

– a Mesa de Assembléia Legislativa;

– o Governador de Estado ou do Distrito Federal;

– o Procurador-Geral da República;

– o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil;

– partido político com representação no Congresso Nacional; e

– confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.

O senador Randolfe Rodrigues “super topou” figurar como “laranja” na ação da Lava Jato, informou Deltan aos colegas da força-tarefa. Mas o que chama a atenção dos mundos político e jurídico é que o parlamentar da Rede só foi convertido em “devoto” da “República de Curitiba” após ser citado com o apelido de “Múmia” nas delações da Odebrecht.

Crendiospai!

Compartilhe agora!