Dallagnol amealhou cerca de R$ 600 mil com palestras, apontam mensagens vazadas

Compartilhe agora!

O procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da lava jato em Curitiba, arrecadou pelo menos R$ 580 mil com as palestras depois de 2017; apontam as mensagens vazadas pelo Intercept em matéria publicada na Folha de São Paulo.

Até 2017, os contratos das palestras tinham o foco central na filantropia. Mas, a partir de então, o procurador “focou” no meio empresarial e começou a lucrar de verdade.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro pode ser responsabilizado por crime contra humanidade

Macron diz que Amazônia ‘arde em chamas’ e pede reunião urgente no G7

Dilma: A soberania queima junto com a Amazônia e a venda da Petrobras

Bolsonaro volta a acusar ONGs de queimarem a Amazônia

O procurador nunca mostrou a relação de empresas e entidades que pagaram por suas palestras, nem os valores recebidos. Mas consta que ele foi contratado pelo Unimed, empresas do mercado financeiro e associações industriais e comerciais.  O valor de cada palestra variou entre R$ 10 mil e R$ 35 mil.

Deltan já foi alvo de reclamação disciplinar na Corregedoria do Conselho Nacional do Ministério Público, protocolada pelos deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e Wadih Damous (PT-RJ).

Além de algumas explicações que contradizem as mensagens vazadas, o procurador ainda disse “que o objetivo das palestras não é enriquecer, mas sim contribuir com a causa cívica, embora eu pudesse legalmente dar destinação pessoal aos recursos, como muitos profissionais da área pública e privada fazem”, completou o procurador.

Mas é praticamente um anjo de bondade, não é? Pena que a estátua em sua homenagem não tenha sido construída. Viraria santo.

As informações são da Folha de São Paulo.

Compartilhe agora!