Bolsonaro reconhece crise ambiental e proíbe queimadas por 60 dias

Publicado em 29 agosto, 2019

O presidente Jair Bolsonaro (PSL), depois de atacar Ongs e até o presidente da França, reconheceu a crise ambiental em curso na Amazônia e assinou decreto nesta quinta-feira (29), publicado no Diário Oficial da União, que suspende por 60 dias a permissão para que o fogo seja utilizado em atividades agropastoris e florestais em todo o território nacional.

A medida proíbe a prática de queima para limpeza do solo e para eliminar resíduos produzidos por madeireiras e serrarias.

.

Os incêndios e as queimadas na floresta Amazônica dispararam nos últimos sete meses do governo Bolsonaro, facilitado com o desmonte dos órgãos de fiscalização como o Ibama, ICMBio e Funai.

O setor empresarial da pecuária, ao lado da mineração e dos madereiros, foram os setores responsáveis pelas queimadas.

ONU planeja convocar encontro sobre crise ambiental na Amazônia

.

PSOL defende R$ 2,5 bilhões para combater incêndios na Amazônia

O uso do fogo em práticas de agricultura de subsistência executadas pelas populações tradicionais e indígenas e como técnica de combate e prevenção de incêndios são as exceções listadas no decreto desta quinta-feira.