Bolsonaro é denunciado na PGR por mudança na Comissão de Mortos e Desaparecidos

Publicado em 3 agosto, 2019
Ditadura assassina

Ditadura assassinaA bancada do PSOL na Câmara dos Deputados ingressou, na sexta-feira (2), com uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra as mudanças feitas por Bolsonaro (PSL) na Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP).

O presidente e a ministra Damares Alves substituíram quatro integrantes da Comissão, que tem um total de sete componentes.

LEIA TAMBÉM
Membros da Comissão de Mortos e Desaparecidos são substituídos por Bolsonaro

Bolsonaro sobre mudanças na Comissão de Mortos e Desaparecidos: “Agora o presidente é de direita”

Foram exonerados: a presidenta do colegiado, a procuradora da República Eugênia Augusta Gonzaga Fáver; a advogada e professora da Universidade Federal Fluminense (UFF) Rosa Maria Cardoso da Cunha; o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS); e o militar João Batista da Silva Fagundes, ex-deputado federal pelo estado de Roraima.

No lugar deles, foram nomeados, respectivamente, Marco Vinicius Pereira de Carvalho, que atua como assessor especial de Damares e preside o PSL no município de Taió (SC); o coronel da reserva do Exército Weslei Antônio Maretti; o deputado federal Filipe Barros (PSL-PR); e Vital Lima Santos, que trabalha na chefia de gabinete do Ministério da Defesa.

Barros é um dos vice-líderes do governo na Câmara e tem demonstrado forte alinhamento com as pautas de Bolsonaro, além de ter comemorado, por exemplo, o aniversário do golpe militar de 1964.

Em uma postagem feita pelas redes sociais, ele chegou a se referir à data como “o dia que o Brasil foi salvo da ditadura comunista”.

O parlamentar também já chamou de “revisionismo” as críticas à tortura e às mortes praticadas pelo regime. Além disso, defendeu, por meio de um pedido oficial feito à PGR, a prisão temporária do fundador do site The Intercept Brasil, Glenn Greenwald, jornalista responsável pelas reportagens da “Vaza Jato”.

Também conhecido por defender a ditadura militar, o coronel Maretti costuma exaltar a memória do coronel Brilhante Ustra, conhecido pelas práticas de tortura na época do regime.

As informações são do Brasil de Fato.