Por Esmael Morais

Toffoli faz gestão temerária no STF para salvar filho de Bolsonaro

Publicado em 16/07/2019

Está tudo dominado. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, suspendeu monocraticamente os processos envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e, por conexão, as investigações de seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

Até aliados do presidente Jair Bolsonaro (PSL) viram a manobra de Toffoli como ‘preocupante’ ou mesmo gestão temerária no STF.

A deputada Janaia Paschoal (PSL-SP), por exemplo, disparou contra o trancamento das investigações do filho do presidente da República e de Queiroz.

LEIA TAMBÉM
Enfim, Corregedoria jura que irá investigar palestras de Deltan Dallagnol

“Ainda é cedo para avaliar, mas a decisão prolatada pelo Ministro Toffoli, na data de hoje, pode significar uma derrota considerável na guerra contra a corrupção e um primeiro passo para anular processos e até condenações. Preocupante!”, escreveu a autora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff (PT).

A decisão de Toffoli ocorreu durante o recesso no judiciário e paralisa as investigações iniciadas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro a partir de dados do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

Resumo da ópera: Toffoli foi abduzido pelo bolsonarismo.