Por Esmael Morais

Reforma da previdência respira por aparelhos na Câmara; acompanhe

Publicado em 03/07/2019

A Comissão da Reforma da Previdência (PEC 6/19) tenta reanimar o fim da aposentadoria na tarde desta quarta-feira (3). O projeto defendido pelo governo Jair Bolsonaro (PSL), velha mídia e bancos privados respira por aparelhos.

Cinco partidos anunciam hoje voto contrário a relatório da reforma da Previdência: iniciativa reúne PT, PDT, PSB, Psol e PCdoB. Essas legenda advogam o adiamento da votação.

O deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), relator da matéria, fez o terceiro ajuste no parecer apresentado por ele desde 13 de junho.

LEIA TAMBÉM
Juiz nega à defesa de Lula acesso a acordo de leniência da Odebrecht

Também houve uma intervenção de Bolsonaro para igualar policiais civis e federais aos militares das forças armadas. Professores e outros servidores públicos igualmente esperneiam ante esta diabólica reforma da previdência.

Esqueça, caríssimo leitor, a falsa tese segunda qual a reforma da previdência irá economizar R$ 1 trilhão aos cofres públicos. Mentira. Fake news da Globo et caterva.

O que se pretende é transferir esse valor para o setor financeiro a título de pagamento de juros da dívida interna estimada este ano em R$ 1,8 trilhão.

Para o leitor possa ter dimensão do montante que Bolsonaro está disponibilizando para os “pobres” banqueiros, eis os orçamentos de 2019 para as principais áreas do governo, segundo o Portal da Transparência:

* Educação – R$ 117 bilhões

* Saúde – R$ 122 bilhões

* Assistência Social – R$ 92 bilhões

* Trabalho – R$ 80 bilhões

Resumo da ópera: os policiais civis e federais estão corretíssimos em protestar contra o fim da aposentadoria; estão errados os trabalhadores do setor privado, que ganham menos, que se mostram mais encantados pela cantilena da Globo, do “mito” e seus banqueiros dentro do governo.

Assista ao vídeo: