Lava Jato conspirou para derrubar Maduro na Venezuela, diz nova reportagem na Folha

Compartilhe agora!

A Folha e o Intercept divulgam neste domingo (7) reportagem mostrando que a Lava Jato atuou para derrubar o presidente constitucional da Venezuela Nicolás Maduro, mas a empreitada não era consenso na força-tarefa.

Segunda a nova reportagem sobre os diálogos entre o ex-juiz Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato discutiram com membros do Ministério Público venezuelano uma ação judicial contra Maduro, a partir do Brasil, com o objetivo de desestabilizar politicamente o governo eleito de Maduro.

Embora Folha e Intercept não comparem, mas, possivelmente, o modus operandi da Lava Jato no país caribenho tenha sido o mesmo que em 17 de abril deste ano levou ao suicídio do ex-presidente peruano Alan Garcia. O político morreu jurando inocência.

Coincidência ou não, a queda de governos não alinhados –ou políticos que podem destoar futuramente– são prioridade absoluta dos Estados Unidos da América. Além do caso Alan, vide também os de Cristina Kirchner, na Argentina, e de Lula, no Brasil.

Dito isso, voltemos às mensagens que revelaram a participação de procuradores brasileiros numa conspiração contra Maduro. Segundo as mensagens trocadas, Moro queria vazar a delação da Odebrecht sobre supostas propinas na Venezuela. “Talvez seja o caso de tornar pública delação dá Odebrecht sobre propinas na Venezuela”, ordenou o ex-juiz no dia 5 de agosto de 2017.

LEIA TAMBÉM
Lava Jato vazou dados contra Maduro na Venezuela

A ordem de Moro não era consenso na força-tarefa, conforme mostram as mensagens trocas no Telegram. O procurador Deltan Dallagnol, por exemplo, resistiu dizendo que havia um acordo internacional com 11 países impedindo o vazamento de dados. A própria delação da Odebrecht também previa sigilo das partes.

Então, Deltan explicou a Moro que não podiam tornar pública as delações da empreiteira, mas defendeu mandar “espontaneamente” (vazar) as informações para a Venezuela enquanto, aqui, trabalhar-se-ia numa acusação formal contra Maduro.

Procuradores temiam uma guerra civil no país vizinho e que brasileiros que vivem lá virassem reféns em virtude de vazamentos da Lava Jato, os quais poderiam causar convulsão social e mortes.

Deltan, por sua, mais alinhado a Moro, via exageros dos colegas. “Eles [os venezuelanos] têm o direito de se insurgir”, disse o coordenador da força-tarefa, que via a intervenção da Lava Jato como “simbólica” e menos efetiva. Deltan deixa claro numa mensagem que a ação seria uma contribuição política e ideológica “com a luta de um povo contra a injustiça na Venezuela”.

Sem interlocutores na Venezuela, os procuradores brasileiros se apoiaram na ex-procuradora-geral Luisa Ortega Diaz, destituída do cargo sob a acusação de extorsões e refugiada na Colômbia.

Em outubro de 2017, segundo a Folha e o Intercept, Ortega Diaz publicou em seu site dois vídeos com trechos de depoimentos de um ex-diretor da Odebrecht na Venezuela. No material Euzenando Azevedo afirmava que a empreiteira drenou recursos para a campanha eleitoral de Maduro.

Pronto. Assim foi feita a vontade de Russo, o codinome de Moro em grupos de mensagens do Telegram.

A ONG Transparência Internacional confirmou os diálogos com a Lava Jato que, inclusive, se utilizou dos “serviços” do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) no episódio.

Compartilhe agora!