Globo e Intercept estão certos em proteger suas fontes; errado está Moro

Compartilhe agora

A TV Globo está coberta de razão quando protege uma de suas fontes, o ministro Sérgio Moro, conhecido vazador de conversas ilegais da presidenta Dilma Rousseff no pré-impeachment de 2016.

Também tem razão o site The Intercept Brasil, fundado pelo jornalista Glenn Greenwald, que vem vazando diálogos comprometedores do ex-juiz e procuradores da Lava Jato.

O Intercept afirma que recebeu vastos arquivos de fonte anônima e se recusa a falar sobre ela, pois, corretamente, a Constituição Federal de 1988 lhe garante o sigilo profissional. A Globo também tem suas fontes anônimas, dentre as quais Moro, por isso sai em sua defesa.

LEIA TAMBÉM
Deltan Dallagnol recebeu R$ 33 mil por palestra em empresa citada na Lava Jato

Operação Spoofing: Oposição quer impedir destruição das mensagens

Suposto hacker fez campanha para Bolsonaro nas redes sociais

Moro não pode destruir mensagens de hacker, avisa ministro do STF

Quem está errado nessa história é o ex-juiz e atual ministro da Justiça ao tentar criminalizar a atividade do jornalista do Intercept. Na prática, ao ligar os supostos hackers presos a Greenwald, Moro busca esquivar-se dos graves conteúdos revelados contra si na #VazaJato.

Por isso Moro tenta parar as reportagens do Intercept com truques e armações. A agressão a Glenn Greenwald e aos jornalistas do Intercept se configura em atentado contra todos os jornalistas brasileiros e à liberdade de imprensa assegurada na Constituição.

Portanto, nesse jogo de xadrez, Intercept e Globo estão cobertos de razão porque se movimentaram de acordo com a Magna Carta.

Quem já levou xeque-mate nesse tabuleiro é o ministro Moro, embora ele ainda não reconheça a derrota.

Moro era juiz. Cometeu crime vazando grampo ilegal de Dilma para justificar a prisão do ex-presidente Lula, seu objetivo e dos procuradores da Lava Jato. Eles fizeram um conluio, ao arrepio da lei, em nome do poder, do dinheiro e da vaidade – considerados pecados capitais pelo direito canônico.

A Moro e aos procuradores da Lava Jato, sobretudo Dallagnol, só há um caminho possível: pedir para sair já, antes que sejam tirados de suas respectivas funções.