Ex-ministros da Ciência e Tecnologia denunciam desmonte

Publicado em 1 julho, 2019
Compartilhe agora!


Um grupo formado por ex-ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação nos últimos 30 anos, lançou, nesta segunda-feira (1º), um manifesto contra as posições adotadas pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) para o setor. “Vivemos hoje a maior das provações da nossa história” é a frase que motivou a criação do documento. Intitulada “A ciência brasileira em estado de alerta”, a reunião foi realizada nas dependências da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

“Agravam-se os cortes orçamentários drásticos que poderão levar a um retrocesso sem paralelo na história da ciência brasileira, área essencial e crítica, tanto ao desenvolvimento econômico e social quanto à soberania nacional”, diz o manifesto.

Esta foi a quarta vez que ex-ministros se reuniram para protestar contra as políticas desenvolvidas pelo governo Bolsonaro. Antes se encontraram ex-ministros do Meio Ambiente, da Educação e da Justiça.

Nesta terça-feira (2), haverá reunião com ex-titulares da pasta de Cultura. Em seguida, será Saúde.

Entre os que assinam o manifesto estão os ex-ministros de Dilma Rousseff: Aloízio Mercadante (2011), Marco Antonio Raupp (2012 a 2014), Clélio Campolina (2014) e Celso Pansera (2015 e 2016), além de Roberto Amaral, do governo Lula (2003).

José Goldemberg (Collor, 1990 a 1992), Sérgio Machado Rezende (Lula, 2003), Aldo Rebelo, Luiz Carlos Bresser-Pereira e Ronaldo Sardenberg, que também assinaram o documento, não participaram do evento.

De acordo com informações divulgadas na reunião, as universidades federais, responsáveis por 95% da produção científica brasileira, tiveram, somente em 2019, 42% do seu orçamento anual contingenciado e 6.198 bolsas bloqueadas no mestrado, doutorado e pós-doutorado.

“Não se pode permitir a criação de condições que estimulem a evasão de nossos melhores cérebros nem a ausência de representantes da comunidade científica em comitês e conselhos governamentais”, diz outro trecho do manifesto.

Do Brasil de Fato

Compartilhe agora!