Por Esmael Morais

Em greve há 18 dias, educadores do Paraná farão assembleia neste sábado

Publicado em 12/07/2019

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP) convoca para este sábado, às 8h30, em frente ao Palácio Iguaçu, em Curitiba, uma assembleia estadual da categoria. Professores e funcionários públicos das escolas da rede estadual vão se reunir em frente a sede do governo para avaliar a greve unificada dos servidores e deliberar novas ações do movimento.

Em greve desde o dia 25 de junho, os trabalhadores reivindicam, entre outras pautas, a reposição salarial. A data-base do funcionalismo venceu no dia 1º de maio e o índice da inflação no período foi de 4,94%. Com os rendimentos congelados desde 2016, as perdas acumuladas passam de 17%.

LEIA TAMBÉM:
Rejeição ao Congresso Nacional volta a crescer, diz Datafolha

Para 2019, até o momento o governo manifestou interesse de pagar apenas 0,5%, a partir de outubro. Os servidores consideraram a proposta “indecente” e rejeitaram também a manifestação do governador Ratinho Junior de condicionar a data-base dos próximos anos a determinados índices de aumento da receita corrente líquida e a revogação de direitos trabalhistas.

Com base nos relatórios fiscais da Secretaria da Fazenda (Sefa), as lideranças do Fórum das Entidades Sindicais (FES) sustentam que o Estado tem condições de atender a reivindicação sem oferecer riscos às contas públicas e que a solução do impasse só depende da vontade política do governador.

O FES tem ressaltado ainda que o Paraná registra o menor gasto com pessoal dos últimos 10 anos, lidera o ranking nacional de saúde financeira e, ao contrário do discurso de austeridade, tem ampliado o volume de renúncias fiscais. De acordo com as lideranças do funcionalismo, só neste ano, passa de R$ 10,5 bilhões o montante de impostos que serão “perdoados”, principalmente para grandes empresas.

As informações são da CUT