Lula presta solidariedade a militantes sem-teto presos em São Paulo

Compartilhe agora

Em carta, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou sua solidariedade as lideranças sem-teto que foram presas em São Paulo dia 24 de junho.

LEIA TAMBÉM:
Gleisi cala general Heleno na Câmara; assista ao vídeo

“No momento em que o Brasil assiste à comprovação das ações ilegais da Lava Jato, que me levaram à prisão e impediram minha candidatura à Presidência da República, Preta Ferreira, Sidney Silva, Edinalva Franco Pereira e Angélica dos Santos Lima também se encontram arbitrariamente presos, pelo mesmo “crime” que cometi: lutar por uma sociedade mais justa, onde, entre tantos outros direitos, cada família possa morar com a dignidade que merece”, diz trecho da carta.

Leia a integra da carta:

Manifesto minha total solidariedade aos companheiros e companheiras que lutam pelo direito à moradia, vítimas de uma perseguição implacável promovida por aqueles que não fazem ideia do que seja viver sem um teto sob o qual abrigar seus filhos e filhas com segurança e qualidade de vida.

No momento em que o Brasil assiste à comprovação das ações ilegais da Lava Jato, que me levaram à prisão e impediram minha candidatura à Presidência da República, Preta Ferreira, Sidney Silva, Edinalva Franco Pereira e Angélica dos Santos Lima também se encontram arbitrariamente presos, pelo mesmo “crime” que cometi: lutar por uma sociedade mais justa, onde, entre tantos outros direitos, cada família possa morar com a dignidade que merece.

Sabemos o que é viver em condições indignas de moradia. Lutamos, cada um de nós a sua maneira, contra o histórico e criminoso déficit habitacional deste país, seja ocupando e dando destinação social a imóveis há muito tempo abandonados, seja construindo políticas públicas a exemplo do Minha Casa, Minha Vida, que garantiu um lar para milhões de brasileiras e brasileiros e que hoje se encontra sob grave ameaça.

Quero dizer aos companheiros e companheiras de todas as lutas que vamos virar essa página infeliz da nossa história, em que direitos básicos são subtraídos, movimentos sociais sofrem sistemático processo de criminalização, e lideranças populares são perseguidas por uma minoria privilegiada que se julga acima das leis.

Nós vamos de novo construir um país mais desenvolvido e mais justo. A verdade não se negocia nunca, e ela vencerá a mentira.

Até a vitória!

Um abraço solidário,

Lula