Por Esmael Morais

Diretor do Inpe diz que Bolsonaro tomou “atitude pusilânime e covarde”

Publicado em 20/07/2019

O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Magnus Osório Galvão, disse neste sábado (20) em entrevista ao Estadão que ficou escandalizado com a declaração do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de que os dados fornecidos pelo órgão sobre as taxas de desmatamento da Amazônia são “mentirosos”.

“A primeira coisa que eu posso dizer é que o sr. Jair Bolsonaro precisa entender que um presidente da República não pode falar em público, principalmente em uma entrevista coletiva para a imprensa, como se estivesse em uma conversa de botequim. Ele fez comentários impróprios e sem nenhum embasamento e fez ataques inaceitáveis não somente a mim, mas a pessoas que trabalham pela ciência desse País”, afirmou Galvão.

LEIA TAMBÉM:
Igreja de Michele Bolsonaro cancela evento contra o racismo pois seria “comunista”

“Ele tomou uma atitude pusilânime, covarde, de fazer uma declaração em público talvez esperando que peça demissão, mas eu não vou fazer isso. Eu espero que ele me chame a Brasília para eu explicar o dado e que ele tenha coragem de repetir, olhando frente a frente, nos meus olhos”, continuou.

Ontem (19), Bolsonaro disse a jornalistas estrangeiros que Galvão “pode estar à serviço de alguma Ong” e que os dados fornecidos pelo Inpe sobre as taxas de desmatamento da Amazônia são “mentirosos”.

Na quinta-feira (18), os alertas indicavam um desmatamento de 981 km² neste mês de julho. Nesta sexta, às 19h, o número já tinha saltado para 1.209 km² e atingiu o valor mais alto de perda em um mês desde 2015. É também 102% maior do que o observado em julho do ano passado, que viu uma perda de 596,6 km².