Cortaram a língua do general Mourão; veja por que o vice não fala

Compartilhe agora

O vice-presidente da República, general Mourão (PRTB), teve a língua [palavra] cortada há 45 dias. Ou melhor, foi censurado pelo Palácio do Planalto e pela ala militar por motivos diferentes.

Os militares querem Mourão na muda porque ele pode ser uma “reserva” técnica em brevíssimo tempo. Já a turma do governo pede silêncio por ciúmes mesmo.

“É estranho o silêncio de Mourão”, reparou o leitor amapaense Newton Augusto Albuquerque Chianca.

LEIA TAMBÉM
Deputado petista interpela Bolsonaro na Câmara sobre morte de Santa Cruz

‘É uma ditadura, sim’, diz Pepe Mujica sobre governo da Venezuela

PT apresenta notícia-crime contra Moro por prevaricação e abuso de autoridade

OAB repudia declarações de Bolsonaro sobre pai do presidente da entidade

Se por um lado o vice teve a língua corta, no sentido figurado, óbvio, por outro ele intensifica o aquecimento nos bastidores.

Desde o estouro da #VazaJato, a série de reportagens do site The Intercept, não se ouve mais a voz do general Mourão.

Ele sabe que poderá ser convocado para ser titular do jogo a qualquer momento.

O Brasil é um dos únicos países do mundo em que o vice prospera.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) se enrola cada vez mais ao seguir a tática suicida de Steve Bannon segunda a qual é preciso gerar o caos, destruir as bases, para estabelecer uma nova ordem [de extrema direita].