Beto Richa se torna réu pela sétima vez após deixar o governo do Paraná

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) se tornou réu nesta segunda-feira (1º) da Operação Piloto na 23ª Vara Federal de Curitiba.

O tucano é réu pela sétima vez em processos da Justiça Estadual e Federal.

A denúncia de hoje oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) e aceita pela Justiça Federal, além de Richa, abarca outras seis pessoas.

LEIA TAMBÉM
Petrobras aumenta preço do diesel em 3,9% nesta terça

Viraram réus na Operação Piloto:

– Beto Richa – fraude a licitação, corrupção passiva e lavagem de dinheiro;

– Pepe Richa – fraude à licitação, lavagem de dinheiro e corrupção passiva;

– Dirceu Pupo – lavagem de dinheiro;

– Ezequias Moreira Rodrigues – fraude a licitação, corrupção passiva e lavagem de dinheiro;

– Rafael Gluck – fraude à licitação;

– José Maria Ribas Mueller – fraude à licitação; e

– Luiz Abi Antoun – corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A Operação Piloto investiga irregularidades em uma licitação para parceria público privada (PPP) e obras de exploração e duplicação da PR-323, que liga Maringá, no Norte do estado, a Francisco Alves, no Noroeste.

Beto Richa já foi presos três vezes após deixar o governo do Paraná. A última vez, em 19 de março, ele foi detido no âmbito da Operação Quadro Negro (escolas pagas e não construídas). Em janeiro a prisão foi decretada em virtude da Operação Integração (propina nos pedágios) e, em setembro do ano passado, o tucano perdeu a liberdade em decorrência da Operação Rádio Patrulha (fraude em programa de conservação de estradas rurais).