URGENTE: Lideranças partidárias pedem a demissão de Sérgio Moro

    Compartilhe agora!

    Seis lideranças de distintos partidos políticos assinam um artigo na Folha, nesta terça (25), em apontam o esquema de corrupção na Lava Jato. Eles pedem o imediato afastamento do ex-juiz Sérgio Moro do Ministério da Justiça.

    “Não se pode admitir que, escancarada a trama, permaneçam os envolvidos a ocuparem funções relevantes, podendo inclusive atrapalhar ou direcionar investigações. Moro perdeu completamente as condições políticas e morais  de ocupar o Ministério da Justiça, que comanda a Polícia Federal. Deve ser imediatamente afastado do cargo”, exigem, às luz das reportagens do site Intercept.

    De acordo com o documento, a Lava Jato se ergueu em torno do tema da corrupção. “Agora, mesmo os que a defendem têm o dever de afastá-la deste mesmo pecado: o da corrupção”, diz um trecho do artigo publicado esta noite na Folha.

    LEIA TAMBÉM
    Glenn Greenwald prevê a queda do ministro Sérgio Moro

    Para os subscritores do manifesto, não há outra palavra para definir o que ocorreu “nesse lamentável episódio” [da corrupção na Lava Jato].

    “Os fins não justificam os meios. E fraudar os meios corrompe o direito e a Justiça”, defendem.

    “O processo que aconteceu em 2017 e 2018 é viciado desde a origem, e as “provas” usadas até aqui são totalmente nulas”, afirmam ao analisar a condenação do ex-presidente Lula no caso do tríplex do Guarujá (SP).

    O documento suprapartidário acusa o ex-juiz Sérgio Moro das seguintes condutas:

    1- animosidade pessoal contra o acusado;

    2- fornecia provas à acusação fora dos autos;

    3- combinava previamente petições e decisões; e

    4- desrespeito aos argumentos da defesa;

    O artigo-manifesto é assinado pelas seguintes lideranças políticas brasileiras: Fernando Haddad (PT), Flávio Dino (PCdoB), Guilherme Boulos (PSOL), Ricardo Coutinho (PSB), Roberto Requião (MDB) e Sônia Guajajara (PSOL).

    Compartilhe agora!

    This post was published on 25 de junho de 2019

    Esmael Morais: