“Sugerir uma busca e apreensão com objetivos eleitorais é criminoso”, diz advogado

Publicado em 29 junho, 2019
Compartilhe agora!

O advogado Luiz Fernando Casagrande Pereira, do Paraná, especialista em Direito Eleitoral, afirmou neste sábado (29) que é criminoso fazer busca e apreensão com objetivos eleitorais.

Para Pereira, o procurador Deltan Dallagnol “quis” antecipar uma operação da força-tarefa Lava Jato para repercutir na eleição.

Os procuradores lavajateiros torceram pela candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), contra o candidato do PT Fernando Haddad.

LEIA TAMBÉM
Reinaldo Azevedo prega demissão de todos procuradores da Lava Jato

“Os americanos são rigorosos em operações no período eleitoral. Só se cogita se for imprescindível. Aqui Deltan quis antecipar uma operação para repercutir na eleição. Só para isso. É criminoso”, declarou o advogado.

Casagrande Pereira disse ainda que Deltan não tem salvo-conduto, mesmo que tenha feito “coisas importantes” no âmbito da Lava jato.

“Deltan tem que pedir perdão. É o sacramento da penitência”, opinou o jurista paranaense.

De acordo com reportagem do site The Intercept Brasil, divulgada hoje, Deltan Dallagnol tentou forjar uma BA (busca e apreensão) com o fim de interferir no resultado da eleição presidencial no segundo turno. O alvo era o então senador eleito Jaques Wagner (PT-BA), coordenador da campanha de Haddad.

“Isso é urgentíssimo. Tipo agora ou nunca kkkkk”, recomentou Deltan, segundo mensagens vazadas pelo Intercept.

Compartilhe agora!